Conecte-se conosco

Economia

Dia das mães, PIX e expectativas econômicas

Edilaine Alves

Publicados

em

Creio que neste momento de 2021 no qual nos encontramos já não se faz necessário explicar para ninguém o que é o PIX e como funciona o serviço criado pelo Banco Central e lançado na segunda metade do ano passado. Mesmo parcelas da população que não são tão atraídas por discussões relativas à economia, o mercado financeiro ou atividades comerciais diversas estão utilizando o serviço. Realizar pagamentos de pequeno montante, transferir uma quantia de dinheiro para alguém ou qualquer outra necessidade que possa surgir sem que se tenha de pagar juros foi realmente um grande cartão de visitas para o serviço.

Já é possível até mesmo que você tenha passado pela experiência durante os últimos meses de tentar pagar algo utilizando cartão de crédito ou débito e tenha recebido do comerciante a informação de que ele apenas estaria aceitando pagamentos à vista ou por meio do PIX. Caso isso ainda não tenha lhe acontecido é possível que aconteça num futuro próximo. A realidade é que há uma grande parcela de comerciantes e empreendedores no nosso país que trabalha equilibrando as contas diariamente. Para esta parcela do mercado não ter de pagar as taxas cobradas pelas diversas maquininhas que existem à disposição e ver o dinheiro entrar na conta bancária na mesma hora é uma vantagem que torna o comércio com cartões bastante proibitivo.

O PIX já não é uma aposta, é uma realidade a qual grande parte da parcela da população brasileira adotou. Também não aparenta ser um modismo que morrerá após um período de uso. O PIX tem todas as características de um serviço que realmente veio para ficar e modernizar as relações de pagamento que possuímos atualmente. Claro que modernizar as relações entre consumidor e comerciante entram mais uma vez naquele fator que muitas vezes eu destaco em meus textos, estamos em uma sociedade cada vez mais digitalizada e ágil. Apenas serviço que nos permitam ganhar tempo, facilitem nossas vidas e nos permitam seguir acelerando para o futuro seguirão existindo.

Os próprios números do PIX já nos mostram isso. Dados de plataformas especializadas na coleta de dados nas redes sociais apontam que o serviço foi citado em mais de oito mil publicações entre os dias 25 de abril e 05 de maio. Já um estudo realizado pela plataforma global de pagamentos Adyen demonstrou que durante os dias 03 e 09 de maio o número de transações feitas com o serviço superou o registrado na semana anterior em 46,8%. Os números nunca mentem, a população brasileira já adotou o PIX como um meio efetivo dentre a gama de modalidades de pagamento que possui atualmente.

Outro fator que pode estar fortalecendo os números do PIX atualmente é a pandemia do novo coronavírus. Muitas pessoas ainda seguem isoladas em suas casas ou evitando ao máximo contatos que considerem desnecessários e, portanto, é quase que natural que uma modalidade de pagamento em que as duas partes não necessitam ter contato direto ou indireto ganhe tanta força tão rapidamente. A adoção de pagamentos por meio do PIX para serviços e produtos vendidos digitalmente também é um fator. O comércio digital teve um grande impacto na economia durante o período do dia das mães e, portanto, o uso desta forma de pagamento também deve ter sido alavancado pela nova realidade social que estamos vivenciando neste momento de isolamento causado pela pandemia.

Atualmente uma grande preocupação que uma parcela da população possui é: será que este serviço que se popularizou tão rapidamente se tornará pago? O fato de ser instantâneo e não serem cobradas taxas de pessoas físicas foram os principais cartões de visita para o serviço assim que ele foi lançado e os grandes atrativos para chamar os usuários. Mas atualmente estes usuários que rapidamente abraçaram a ideia do novo serviço passam a temer que os bons tempos que fizeram do PIX um sucesso de adesão tenha um fim já em 2021.

O Banco Central atualmente estuda a possibilidade de criar duas novas modalidades para o serviço e sobre as quais haverá a cobrança de taxas. Desde o dia 10 deste mês o BC está realizando uma pesquisa pública para avaliar a opinião da população brasileira com relação a possibilidade da criação do PIX saque, transação que será exclusiva para saques. A oura modalidade sugerida pela instituição financeira é o PIX troco que envolverá o pagamento de serviços ou produtos. A estimativa do Banco Central é de que estas novas modalidades permitam que o usuário realize quatro operações de forma gratuita ao longo do mês e que depois seja possível que as instituições bancárias lhes cobrem algum tipo de taxa sobre o serviço. Outra limitação será o fato de que o PIX saque permitirá apenas uma retirada de até R$ 500 por dia.

Então nesse momento o futuro promissor do serviço no país poderá encontrar a sua frente o grande muro das mudanças institucionais e da burocracia e acabar limitando ou extinguindo o potencial do serviço que é em essência um fruto da criatividade brasileira. A realidade é que caso se torne menos atraente o PIX já poderá passar a ser deixado de lado em detrimento de formas de pagamento que existiam anteriormente ou outras que estão surgindo.

O dia dos namorados está se aproximando e assim como o dia das mães a data será uma boa forma de medir o sucesso do PIX dentre comerciantes e a população brasileira. Números altos podem significar um alerta para as instituições bancárias de que a população deseja que o serviço se mantenha inalterado, mas não reserva garantias para o futuro do PIX. No momento cabe a aqueles que desejam seguirem usando o serviço e se mantendo atentos para as possibilidades que surgirem no futuro.

Continue lendo

Economia

Líder – turismo de negócios

João Rodrigues

Publicados

em


Mais de 62 mil doses foram aplicadas (1ª e 2ª dose) em nosso município. Média móvel de mortes no país a mais baixa no ano, aumentando o índice de pessoas já imunizadas com a 2ª dose. No exterior eventos já ocorrendo e muitos até sem a utilização da máscara, porém com a exigência do teste PCR. Por aqui cuidados como preconiza a vigilância sanitária: uso de máscara, álcool em gel, distanciamento social, evitar aglomerações.

Estamos vislumbrando que em pouco tempo voltaremos a ter encontros sociais, nos deliciando com nossa gastronomia, nossos shows, enfim, é o momento do líder consciente e conhecedor de Jaguariúna e do Circuito das Águas, saber que o Turismo é algo que nos une é a mola propulsora do desenvolvimento social e econômico. Devido a este fator deve ele começar a se movimentar, articular, para que os projetos de curto, médio e longo prazo ocorram, mas como fazer isto?

O primeiro passo é descobrir pessoas que compartilhem dos mesmos pensamentos e agrupá-las, para que por meio desta sinergia se forme um verdadeiro Master Mind, onde serão geradas soluções de melhoria no local, com ideias criativas, inovadoras, transformadoras em prol do Turismo, porém amparados na sustentabilidade, qualidade de vida, desenvolvimento social e econômico, é fundamental ter uma visão de longo prazo, pois precisamos pensar no presente o futuro das novas gerações.

Desde minha chegada a presidência da Associação Comercial e Industrial de Jaguariúna, como líder empresarial e social, venho estudando a cidade e região, realizado contatos, pesquisas, buscado experiências de sucesso no Brasil e no exterior, solicitando o apoio de nossos jovens talentos de graduação da UniEduk, que muito tem contribuído através de suas Maratonas semestrais, onde tive a oportunidade de desafiá-los com 2 problemas, com retornos pautados em pesquisas através de seus estudos acadêmicos e práticos, pois os mesmos vão a campo para saber a opinião do cidadão.

O grupo de voluntários do Programa LÍDER do Circuito das Águas Paulista, muito tem contribuído para este conhecimento e troca de experiências, bem como saber qual a dor de cada cidade, quais os cases de sucesso e o compartilhamento de experiências bem sucedidas nos estados em que o programa já foi aplicado, como Serra Gaúcha, Serra da Canastra, Cariri Paraibano, Lençol Maranhense, entre outros lugares que se desenvolveram e muito, graças a líderes locais que de forma conjunta pensaram estrategicamente em como realizar o desenvolvimento da região.

Tive a oportunidade de participar de eventos estratégicos de liderança o PPAglobal na Califórnia (San Diego) e Portugal, onde pude debater sobre as características de cada pais, seu povo, sua cultura, seus problemas, desafios e principalmente sobre o enorme potencial turístico de cada pais e em especifico de cada cidade/região, e foi muito gratificante ver como regiões muito pobres, hoje, se tornaram muito mais fortes, socialmente e economicamente, sendo lugar de visitação de pessoas de mundo todo, trazendo para aquele local divisas (investimento, infraestrutura e moeda), fundamentais para a melhoria de vida dos que lá residem e frequentam.

A força do trabalho coletivo é incrível e cabe aos lideres irem atrás destas cabeças pensantes, bem como nos voluntários (liderados) que engajados nesta causa, farão parte da construção desta nova história da cidade/região, que estará sendo escrita a muitas mãos.

Em Jaguariúna o Turismo de Negócios deve ser destacado e ter verbas próprias para o fomento da economia no comércio, prestador de serviços, indústria, infraestrutura já no Plano Plurianual (PPA), em breve com certeza será reservado um capítulo à parte para isto também no Plano Diretor, onde estamos perguntando ao cidadão, que cidade Temos? Que Cidade Queremos, para que possamos sair do Ponto A, para irmos para Ponto B, em busca da melhoria de qualidade de vida do cidadão, através do desenvolvimento social e econômico (emprego e renda).

Líder comece agora nem que seja no formato online reunir-se com estas pessoas que tem este propósito em mente, pois chegou o momento da retomada econômica e de começarmos a planejar e executar ações em prol do Turismo de Negócios. Nos vemos em breve, pois #JuntosSomosFortes.

Continue lendo

Economia

A economia cresce no agronegócio

Edilaine Alves

Publicados

em

O agronegócio em SP ganha duas grandes ferramentas para o fortalecimento do produtor

Na quinta-feira, 12, o governo estadual anunciou o lançamento de dois programas que prometem ser duas grandes ferramentas para o fortalecimento do produtor paulista. Foram lançados os programas AgroSP+Seguro e Município AgroSP e a liberação de R$215 milhões para linhas de crédito e seguro rural.
Segundo o governo estadual, o objetivo do programa AgroSP+Seguro é garantir maior segurança para o trabalhador rural através da destinação de viaturas específicas para locais rurais. A maior presença das forças de segurança garante ao trabalhador um nível de confiabilidade necessário para que sejam feitos investimentos e melhorias sem o temor de perdas ocasionadas pela insegurança que hoje aplaca grande parte da população rural.
Claro que a presença ativa das forças de segurança nas zonas rurais que será permitida por estas novas viaturas não é em si um fator que movimentará a economia destas regiões ao ponto de haver algum impacto positivo na economia estadual. Mas como sabemos a economia é uma área multifatorial em que várias coisas podem afetar o resultado final, pois há toda uma corrente que é formada por cada um destes pequenos elos que aparecem ao longo dos dias que permitem que situações garantam uma maior segurança eletrônica.
Então uma maior segurança nas zonas rurais poderá garantir ao pequeno trabalhador familiar que ele se sinta confiante o suficiente para acessar ao crédito que também estará agora disponível e assim fazer com que a sua produção cresça. Então, é necessário vermos que hoje estes programas quando apresentados de forma conjunta podem garantir que os produtores familiares ou até produtores maiores do agronegócio local consigam fortalecer o mercado rural paulista e assim gerem todo um ciclo virtuoso de distribuição de renda.
É preciso ver o cenário atual no qual nos encontramos e vislumbrar os impactos positivos que a mudanças apresentadas poderão gerar sobre este cenário permitindo que a realidade da população mude para melhor. Nesta minha coluna já afirmei para vocês em algumas oportunidades anteriores que na economia há da parte de todos um pequeno exercício de futurologia para se tentar imaginar o podemos esperar a cada momento.
Já a função do programa Município AgroSP é fomentar a implantação de políticas públicas voltadas ao setor do agronegócio em esfera municipal. O programa incentivará prefeituras a ampliarem suas ações sociais para melhoras as condições das pessoas que vivem no campo. No primeiro ciclo estarão aptos a participar 508 municípios dos 645 existentes no estado.
A grande vantagem deste programa é que permite uma relação mais próxima do agricultor com o setor público, pois a relação do agricultor, principalmente o pequeno produtor rural, com órgãos municipais pode se dar de uma forma mais específica para as necessidades daquela localidade. Mesmo tratando-se de uma série de programas estaduais, ainda precisamos compreender que de acordo com o tamanho que o estado de São Paulo possui, com uma diversificação da origem destes estímulos para a população do campo é possível que o pequeno produtor se sinta melhor atendido e os programas possuam uma maior aderência.
Os programas e o crédito anunciado pelo Governo Estadual não são a solução para nenhum problema para o homem do campo especificamente. Mas permitem que o trabalhador rural paulista possua uma vastidão maior de armas para a manutenção do seu trabalho e a sua permanência na sua região de origem. Mesmo para aqueles que assim como eu não sobrevivem da atividade rural é sempre importante estarmos atentos ao fortalecimento do agronegócio estadual, pois todos somos consumidores daquilo que é feito no campo, seja direta ou indiretamente.

Continue lendo

Economia

Ibovespa fecha julho perto de -3,9%

Redação Gazeta Regional

Publicados

em

Especialista em investimentos explica a situação do mercado financeiro no início do segundo semestre

No 2º semestre de 2021, o mercado brasileiro começou de maneira “mista”. Em um momento o Ibovespa se encontrava em território positivo, refletindo bons avanços com o ritmo da vacinação, ora em um cenário negativo, espelhando instabilidades políticas, em especial relacionadas aos gastos do governo. No final de julho, o índice teve uma queda de quase 3%, fechando perto de -3,9%. 

Esta é a avaliação do sócio da iHub Investimentos, escritório credenciado XP, Paulo Cunha, que traz abaixo mais detalhes. 

Internacional 
a América do Norte, mas especificamente nos Estados Unidos, a alta no número de casos de Covid-19, em particular os vacinados, fez com que diversos estados tivessem que ensaiar e até anunciar a retomada de medidas obrigatórias, como o uso de máscaras em estabelecimentos públicos. 

“Na última semana de julho, o FED comunicou sua decisão de manter a taxa básica da economia americana, seguido por uma entrevista de Powell, que ele comentou sobre um possível início de cortes nas recompras de ativos realizadas pelo FED”, explica o CEO da iHUB Investimentos, Paulo Cunha. 

Já na China, as intervenções regulatórias abalaram as convicções de investidores no mundo todo, que se viram obrigados a rever suas expectativas de riscos de investimentos no país. Apesar dos solavancos, os mercados globais não abalaram seu otimismo, chegando a operar em território negativo e rapidamente recuperando seus resultados. 

Brasil 
No campo da renda fixa, tanto no Brasil como no mundo, os prêmios de crédito continuaram se contraindo, reafirmando a confiança do mercado na recuperação econômica do pós-pandemia. “Ainda que esta recuperação se encontre em diferentes estágios dentro e fora do país, a contratação foi observada para os títulos emitidos em CDI, IPCA e em dólares, trazendo bons retornos para essas classes”, comenta Cunha. 

Perspectivas de mercado
Para o próximo agosto, a XP enxerga um ambiente mais volátil em renda variável no Brasil, em especial pelo fato de que a tese de um bom ritmo de vacinação no país vai se esgotando e sendo cada vez mais refletida nos preços. As incertezas fiscais e, em um segundo momento, as eleitorais, também corroboram com a redução dessa posição que hoje se encontra próximo ao seu patamar histórico máximo.

Abaixo, confira, o desempenho dos principais indicadores de julho/2021: 

  • CDI: +0,36%
  • Dólar: +4,90%
  • S&P: +2,27%
  • IBOVESPA: -3,64%
  • IPCA-15: +0,72%

Sobre Paulo Cunha

Paulo Cunha é sócio fundador da iHUB Investimentos, empresa especializada em assessoria de investimentos, com mesa de operação atuante em ações, derivativos e câmbio em tempo real. Possui mais de 2,5 mil clientes no Brasil e em 2014, firmou parceria com a maior plataforma de investimentos da América Latina, fundando a iHUB e sendo um escritório credenciado pela XP Investimentos. Desde então, é diretor executivo da empresa, que possui matriz na Vila Olímpia e filiais em Alphaville, em São Paulo, e em Ponta Grossa, no Paraná. Também é palestrante e professor sobre investimentos de cursos em plataformas EAD.

Continue lendo
Propaganda

Categorias

Propaganda

Últimas Notícias