Edmilson Alves – edmilson@gazetaregional.com.br

Os consumidores já tem a disposição uma nova opção que sinaliza a variação do valor da energia elétrica. Trata-se da Tarifa Branca, cujo valor varia conforme o dia e o horário de consumo. A nova opção, oferecida pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), são para as unidades consumidoras que são atendidas em baixa tensão (residências e pequenos comércios), com média mensal superior a 500 kWh.

Linha de transmissão da empesa CPFL; intenção é que os consumidores promovam uma economia ao aderir a essa nova modalidade \ Foto: Divulgação

Com a tarifa branca, o custo de energia varia de acordo com as horas e os dias da semana. Durante todo o fim de semana e feriados, madrugadas e ao longo do dia, a tarifa é mais barata. Entretanto, no início da noite dos dias da semana, quando há um pico no consumo de energia, a tarifa é mais cara.

Em entrevista à Gazeta Regional, o gerente de Regulação Econômica da CPFL Energia Márcio Roberto , explica que o consumidor deve, primeiro , aderir a essa nova modalidade. “Ele deve fazer essa adesão diretamente na agência de atendimento, identificando qual o período que ele tem o maior consumo de energia em sua residência”.

Conforme Márcio Roberto, nos dias úteis, a tarifa branca tem três valores ao longo do dia, sendo o de ‘ponta’ (das 19h às 21h59), ‘intermediária’ (uma hora antes da de ‘ponta’ e uma  hora depois) e fora de ponta (as demais horas) . “A intenção do governo com essa medida é fazer com que o consumidor seja incentivado a promover uma economia, que crie esse hábito”, explica.

O gerente da CPFL também pede que o consumidor, antes que optar pela Tarifa Branca, tenha certa atenção, conhecendo seu perfil de consumo. “Caso contrário, ao realizar a mudança e não houver uma economia no consumo ele irá pagar até mais caro em relação a tarifa convencional,”. Por isso, a tarifa branca não é recomendada se o consumo for maior nos períodos de ponta e intermediário e não houver possibilidade de transferência do uso dessa energia elétrica para o período fora de ponta.

Segundo informações da assessoria de imprensa da Aneel, para ter certeza do seu perfil, o consumidor deve comparar suas contas com a aplicação das duas tarifas. Isso é possível por meio de simulação com base nos hábitos de consumo e equipamentos.

Antes da criação da Tarifa Branca, havia apenas uma tarifa, a convencional, que tem um valor único (em R$/kWh) cobrado pela energia consumida que é igual em todos os dias, em todas as horas. A nova modalidade cria condições que incentivam alguns consumidores a deslocarem o consumo dos períodos de ponta para aqueles em que a rede de distribuição de energia elétrica tem capacidade ociosa.