O trabalho sem tréguas ao mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue e de outras doenças tropicais, teve continuidade em Jaguariúna no sábado, 10, quando a Prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Saúde mobilizou um contingente de 35 agentes para o trabalho de visitas casa a casa nos bairros São Francisco, Vila 7 de Setembro, São João e Mauá I.

Fotos: Ivair Oliveira

De acordo com o balanço apresentado por Luci Domingues, assistente de gestão pública da Secretaria, foram visitados 679 imóveis, sendo que 442 foram trabalhados e em 16 houve recusa em permitir o trabalho nas dependências do imóvel.

No total, foram recolhidos dois caminhões com entulho e possíveis criadouros do mosquito e colhidas dez amostras de larvas, que foram encaminhadas para exames em laboratórios da Sucen (Superintendência do Controle de Endemias), em Mogi Guaçu.

Conforme a secretária de Saúde, Maria do Carmo de Oliveira Pelisão, os mutirões para eliminar criadouros do Aedes fazem parte da rotina de trabalho e seguem os indicativos, que podem ser casos suspeitos da doença ou focos com larvas do Aedes aegypti.

“Antes, o mutirão estava programado para ser no (bairro) Cruzeiro do Sul”, mas acabamos optando por esses bairros porque nossos agentes de Saúde encontraram focos do mosquito durante a semana, no trabalho de rotina, e é urgente acabar com eles”, explica a secretária, que fez questão de destacar: Jaguariúna segue sem ter casos de dengue ou qualquer outra doença transmitida pelo Aedes (chikungunya, zika e febre amarela).

No mutirão realizado nesses quatro bairros, as cinco equipes da Secretaria de Saúde, com sete agentes cada, contaram com a colaboração do Departamento de Obras, que forneceu os caminhões e as retroescavadeiras, e também com a Secretaria de Educação, que cedeu peruas Kombi para o transporte.