A Prefeitura e a concessionária Águas de Holambra entregaram na manhã de hoje, 5 de julho, mais uma importante obra que passa a integrar o sistema de saneamento da cidade: o emissário da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) do bairro Fundão. A melhoria permitirá que todo efluente gerado na zona urbana e tratado no local – além do material processado na Cooperativa Pecuária – deixe de ser lançado no córrego da Cachoeira e siga por uma tubulação até o Rio Jaguari, reduzindo expressivamente os impactos ambientais.

O projeto, executado ao longo dos últimos meses pela empresa que administra a rede água e esgoto do município, trará benefícios diretos à qualidade de vida dos moradores – além de tornar possível a recuperação gradual da qualidade da água da Cachoeira, muito prejudicada por anos de despejo irregular de matéria orgânica.

A obra que será inaugurada consiste na instalação de aproximadamente três quilômetros de tubos com diâmetro nominal de 600 milímetros entre a ETE e o Rio Jaguari. Para escoar o efluente tratado na Cooperativa, outros 2.930 metros de tubulação com diâmetro nominal de 250 milímetros passaram a ligá-la ao emissário da estação do Fundão.

De acordo com o prefeito Fernando Fiori de Godoy, a conclusão “dessa obra tão necessária” põe fim a uma das mais graves deficiências ambientais da cidade. “O esgoto de Holambra já não polui mais a Cachoeira. Encerramos esse ciclo. É uma vitória que não é perceptível à vista das pessoas, mas que tem valor inestimável para o meio ambiente e para o futuro sustentável da nossa comunidade”, destaca.

Para o engenheiro Alan Willian Pedra, coordenador da Águas de Holambra, a alteração representa um grande passo para a preservação ambiental da região. “A eficiência do processo de tratamento nas nossas estações resulta em efluentes tratados que, além de atenderem à legislação, conservam as características do corpo d’água receptor”, explica.

Segundo o biólogo Geraldo Eysink, diretor institucional da Faculdade de Agronegócios de Holambra (FAAGROH), o maior volume de água do Rio Jaguari propicia uma recuperação ambiental mais rápida diante do impacto sofrido pelo lançamento do esgoto. “Poderemos com isso recuperar nossos córregos e a própria represa da Cachoeira”, disse.