A secretária de Saúde de Jaguariúna, Maria do Carmo de Oliveira Pelisão, voltou a reforçar a necessidade de a população, como um todo, acabar com os possíveis criadouros do mosquito transmissor dentro e fora de suas casas. “Estamos em alerta desde o início do ano e nossos agentes de saúde visitam casas e comércios em repetidos mutirões de limpeza, orientando os moradores e recolhendo objetos que possam acumular água parada”, lembra.

Segundo ela, em relação aos casos de dengue Jaguariúna teve uma queda de 87,5% de janeiro a novembro desse ano: foram registrados apenas seis casos em 2017, enquanto 2016 fechou com 48. A secretária lembrou que os agentes comunitários visitam regularmente as residências e pontos estratégicos como borracharias, ferro-velho, cooperativas, escolas e creches.

Nesses locais é feita a busca e a identificação de larvas do mosquito Aedes Aegypti, medida que se soma aos constantes mutirões e revisitas aos imóveis que são encontrados fechados. Um dos mais recentes mutirões, inclusive, teve o reforço de soldados do Exército Brasileiro e recebe constantemente o reforço de estudantes do Centro Universitário Jaguariúna (UniFAJ).

Mutirões são contra o mosquito Aedes Aegypti são realizados com frequência \ Foto: Samuel Oliveira

Conforme a Divisão de Zoonoses e Controle de Vetores da Secretaria de Saúde, nos 11 meses de 2017 – de janeiro a dezembro – foram realizados 15 mutirões e visitados 70.570 imóveis, sempre com o empenho dos Agentes de Saúde da Prefeitura e os apoios das secretarias municipais de Obras e Serviços Urbanos, Educação e Comunicação, além dos departamentos de Vigilância Sanitária e de Fiscalização Tributária.

A Secretaria municipal de Saúde confirmou que as ações de conscientização da população e os mutirões para eliminar criadouros do mosquito transmissor das doenças serão intensificados ainda em dezembro e seguem no ano que vem. É importante destacar que em 2017 não houve nenhum caso confirmado de zyka e chikungunya em Jaguariúna.