Conecte-se conosco

Entretenimento

9 filmes para entender o talibã, o governo teocrático, a realidade afegã e os conflitos ideológicos

Publicados

em

Vanderlei Tenório

Em uma ofensiva-relâmpago que começou há duas semanas, o Talibã avançou no domingo, 16, sobre Cabul e anunciou ter tomado o palácio presidencial do Afeganistão depois da fuga do presidente Ashraf Ghani. O grupo fundamentalista recuperou o poder no país da Ásia Central vinte anos após ter sido derrubado na invasão americana de 200, durante o Governo Bush. Quando foi acusado de dar abrigo ao líder e fundador do grupo terrorista Al-Qaeda, Osama bin Laden (1957-2011), arquiteto dos atentados do 11 de Setembro daquele ano.

Como frisa a Agência Estado, o Talibã reassumiu, nas últimas semanas, a posição de força que tinha no começo do século XXI, coincidindo com a iminente saída das forças estrangeiras contra as quais lutou nas últimas duas décadas. A ofensiva levou governos de outros países a retirarem seus cidadãos, e deixou aterrorizada uma população que viveu as políticas extremistas do grupo, cuja trajetória se confunde com as raízes da história afegã.

Vale lembrar que o grupo afegão serviu de inspiração para um dos grandes fenômenos da literatura ocidental, “O conto da Aia”, escrito pela canadense Margaret Atwood na década de 1980 ganhou forma após uma viagem da autora ao país. Sucesso nas livrarias, a adaptação para a televisão é, atualmente, um dos maiores sucessos de público e da crítica.

Pensando nisso, separamos alguns longas-metragens que visam refletir sobre o talibã, o governo teocrático, a realidade afegã e os conflitos ideológicos.

A caminho de Kandahar (2001), de Mohsen Makmalbaf
O longa conta a história de Nafas, que fugiu do Afeganistão para o Canadá após o Talibã tomar o poder e impor severas restrições à vida das mulheres. Após receber uma carta de sua irmã, que vive no Afeganistão, onde afirma que vai se matar, Nafar decide retornar ao Afeganistão e ir ao encontro de sua irmã para impedir que ela cometa o suicídio. O filme acompanha a travessia da personagem e ao mesmo tempo apresenta o mundo das mulheres sob um regime teocrático.

Osama (2003), de Siddiq Barmak
O filme aborda o período em que os talibãs estavam no poder no Afeganistão. As cenas iniciais mostram uma manifestação de mulheres que lutavam por seus direitos. A demonstração é fortemente coibida pelo exército. Lembrem-se que as mulheres não poderiam exibir qualquer parte do seu corpo. Os homens que permitiam que as suas esposas exibissem os pés, por exemplo, eram chamados de fracos pelo exército talibã. As burcas tornaram-se símbolo dessa triste época. O enredo gira em torno da história de uma menina (Marina Golbahari), cuja família é composta por sua mãe e sua avó. Provavelmente, o pai havia sido morto em alguma guerra. O único modo da família poder subsistir era através da menina se disfarçando de menino. O filme denuncia em detalhes as mazelas sofridas pela sociedade afegã durante o regime do talibã.

9º Pelotão (2005), de Fyodor Bondarchuk
O filme russo toca nas feridas da invasão soviética ao Afeganistão. O longa mostra a dramática história de guerra real que se deu com todo um pelotão do exército russo durante a invasão do Afeganistão nos anos 80. O episódio rendeu essa produção que fez bastante sucesso nos cinemas russos ao mostrar essa sangrenta guerra que fez milhares de vítimas dos dois lados, e que também fazia parte dos conflitos da chamada guerra fria, quando os norte-americanos apoiavam de forma não oficial o exército afegão. É o filme de maior bilheteria na história da Rússia pós-comunista, arrecadando mais de 20 milhões de dólares. Ele acabou sendo o representante russo no Oscar 2007 de Melhor Filme Estrangeiro.

Rambo III (1988), de Peter MacDonald
Na narrativa do filme, Rambo e os Estados Unidos da América ajudaram a formar as bases que construíram a milícia Al-Qaeda no Afeganistão, que um dia daria ao mundo a reconfiguração política definitiva chamada 11 de setembro de 2001. O filme Rambo III é um subproduto em contexto da Guerra Fria, com tropas do governo marxista da República Democrática do Afeganistão e soldados da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas. Juntos, eles tentam manter o status quo do governo afegão contra rebeldes revolucionários, que se organizam em grupos de guerrilheiros fundamentalistas e modernistas, alguns chamados de mujahideens, todos de diversas nacionalidades. A maioria das facções eram islâmicas sunitas e recebiam apoio militar, na forma de armas e dinheiro, de nações como o Paquistão, Estados Unidos, Reino Unido e outros. A guerra dos republicanos marxistas contra os guerrilheiros “revolucionários” durou uma década, e resultou em milhares de mortes (entre civis e combatentes). Uma enorme parcela da população afegã fugiu do país, e buscou refúgio em países como o Paquistão e o Irã. Esse conflito é chamado de Guerra Afegã-Soviética (1979-1989).

O Grande Herói (2013), de Peter Berg
Depois dos ataques de 11 de setembro de 2001, os Estados Unidos deram início à “Guerra ao terror”, com intervenções militares em diversos países conhecidos por suas ligações com organizações terroristas. Entre eles, o maior alvo desde o início da ofensiva foi o Afeganistão, que abrigava células de treinamento da Al Qaeda e onde foi morto seu chefe, Osama Bin Laden. Escrito e dirigido por Peter Berg a partir de livro de Marcus Luttrell e Patrick Robinson, conta a história real de quatro fuzileiros: Dietz (Emile Hirsch), Mickey (Taylor Kitsch), Marcus (Mark Wahlberg) e Axe (Ben Foster), escolhidos para eliminar o terrorista islâmico Shah, que está escondido em uma vila no meio das montanhas afegãs. Porém, depois de serem descobertos em seu esconderijo, os marines passam a ser caçados por soldados talibãs.

Campo de Matança (2020), de Mark Willacy
Durante anos, as denúncias de crimes de guerra têm girado em torno das forças especiais da Austrália no Afeganistão. Com filmagens exclusivas e testemunho de um ex-agente das forças especiais, este documentário revela uma cultura chocante de assassinato e impunidade.

Posto de Combate (2020), de Rod Lurie.

O filme, baseado em fatos reais, faz bem aquilo que propõe, tensão e violência até o final de forma bem realista sobre a luta em Kamadesh, Afeganistão, contra o talibã no pós 11 de setembro. O filme mostra desde o início que o posto de combate de Kamdesh é o pior local possível para se estar. Este posto de combate tinha sido colocado estrategicamente para facilitar as relações com a comunidade que ali habitava, mas essa confiança é rapidamente quebrada. Inimigos talibãs têm sempre uma perspectiva dominante da zona e pode haver tiroteios a qualquer momento.

12 Heróis (2018), de Nicolai Fuglsig
Baseado na história real dos primeiros soldados das Forças Especiais a pisarem no Afeganistão após os ataques terroristas em Nova York, nas Torres Gêmeas, em 11 de setembro de 2001. vinte anos depois, num mundo totalmente diferente, com diversas outras conotações trazidas à mesa, é curioso ver como se comporta um filme como 12 Heróis.

Jogos de Poder (2008), de Mike Nichols
Em 1980, a União Soviética invade o Afeganistão, o que desperta a atenção de políticos americanos. Um deles é Charlie Wilson (Tom Hanks), um homem mulherengo e polêmico que não tem grande relevância política, apesar de ter sido eleito seis vezes para o cargo. Com o apoio de Joanne Herring (Julia Roberts), uma das mulheres mais ricas do estado que o elege, e do agente da CIA Gust Avrakotos (Philip Seymour Hoffman), Wilson passa a negociar uma inusitada aliança, de forma que os Estados Unidos financiem uma resistência contra os soviéticos.

Entretenimento

Suplementação de vitamina D

Publicados

em

A deficiência de vitamina D é um problema de saúde pública em nível mundial e muitas pesquisas vem sendo desenvolvidas, contudo, existe uma grande dificuldade de padronização das diretrizes nutricionais e clínicas. Ocorre que não há heterogeneidade entre os protocolos de pesquisa e amostras, são utilizadas dosagens e diferentes tipos de vitamina D, isso dificulta, e se cada um faz de um jeito fica difícil comparar.

A vitamina D é essencial à vida, funcionamento normal do nosso organismo e um nutriente que participa de várias funções no corpo. Sua deficiência está associada a maior mortalidade e agravamento da saúde em pessoas com hipertensão, SIDA, idosos, em doenças cardiovasculares, Covid-19 e outras situações.

Onde encontramos? Pode ser ingerida pela dieta, em alimentos de origem animal, mas suas concentrações são muito pequenas então precisamos de sol, luz solar UV que induz sua formação na pele e depois ela vai para o fígado e rins onde é metabolizada.

E quais alimentos devemos consumir?

•             Óleos de fígado de peixes (bacalhau e atum);

•             Peixes gordos (bacalhau, atum, arenque, cavala, outros);

•             Fígado de mamíferos;

•             Ovos;

•             Produtos lácteos;

•             Cogumelos.

A quantidade naturalmente produzida na pele é maior e de grande importância para nosso corpo, mas deveríamos tomar banho de sol diariamente e sem protetor solar. Agora me conta, quem toma sol diariamente? Mesmo sendo o Brasil um país tropical, não temos este hábito diário, salvo algumas pessoas que moram em cidades praianas.

Conforme envelhecemos sofremos menor aproveitamento da exposição solar, outros fatores que interferem na absorção e aproveitamento da vitamina d é o uso frequente de alguns medicamentos, saúde intestinal precária com presença de disbiose e disfunção microbiana. Também a obesidade e estado inflamatório são fatores associados a deficiência.

É um micronutriente, uma vitamina lipossolúvel, e considerada um hormônio esteroide e com várias funções:

•             Infecções respiratórias agudas;

•             Saúde óssea;

•             Força e funcionalidade muscular;

•             Influência no controle das contrações do músculo cardíaco e bombeamento de sangue;

•             Melhora do sistema imunológico, os linfócitos d tem receptores para este hormônio;

•             Controle da diabetes;

•             Diminui o auto ataque em pessoas com doenças autoimunes;

•             Previne contra o câncer;

•             Distúrbios e qualidade do sono;

•             Saúde mental (doenças neurológicas, comprometimento cognitivo; performance, depressão, ansiedade e outros);

•             Doenças cardiovasculares;

•             Lúpus;

•             Encefalite autoimune;

•             Artrite e artrose;

•             Lúpus e outras doenças autoimunes;

•             Proteção contra o agravamento da infecção viral, inclusive por Covid-19;

•             Outros

Quanto é considerado um nível nos exames sendo normal ou seguro? Cerca de > 50 nmol/l ou 20ng/ml é o alvo mais aceito atualmente. Os grupos de risco mais suscetíveis à hipovitaminose D, devem considerar as condições clínicas para a manutenção de níveis mais altos (entre 30 e 60 ng/ml), inclusive gestantes.

Segundo diretrizes internacionais, a deficiência grave desta vitamina aparece com uma concentração abaixo de 20 (OH) D <30 nmol/l (ou 12 ng/ml) e isso acarreta dramaticamente em maior risco de mortalidade, infecções e agravamento de muitas outras doenças, e deve ser evitada sempre que possível.

Agora é importante dizer que a deficiência mundial generalizada é contestada por muitos centros internacionais de pesquisa e órgãos governamentais como o europeu.

Aumentar a ingestão oral para quantidades maiores que a necessidade fisiológica podem causar hipercalcêmia (quantidade excessiva de cálcio). Existem muitos relatos de toxicidade, não quando produzida por luz solar UV, mas ingerida em grandes quantidades, provocando fadiga, fraqueza muscular, náuseas, micção frequente, vômitos, e entre outros problemas causar problemas e até lesões renais, ateroesclerose e enrijecimento das paredes arteriais do coração.

A suplementação é eficiente apenas em casos de deficiência grave comprovada! A fim de evitar estes riscos deve ser monitorado o nível de vitamina D no sangue, a concentração de cálcio, magnésio, zinco, vitamina A e o PTH, assim como a saúde intestinal, óssea e renal e o estado de saúde como um todo.

A diferença entre o veneno e o remédio está na dose, já dizia Paracelso.

Continue lendo

Entretenimento

Qual a opinião dos tuiteiros sobre “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”?

Publicados

em

Vanderlei Tenório

O primeiro lote de fãs do MCU viu “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”, e as críticas começaram a aparecer no Twitter. Embora a pontuação crítica do filme de Sam Rami ainda esteja oscilando e tecendo no Rotten Tomatoes (79% no momento desta publicação), um consenso bastante sólido parece ter se formado no aplicativo de pássaros. Parece que os espectadores ficam impressionados com “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” com reações negativas muito parecidas com agulhas em um palheiro. 

MARVEL STUDIOS presents: Doctor Strange in the Multiverse of Madness – Photocall at Ritz Carlton on 21st, April, 2022. Benedict Cumberbatch, Elizabeth Olsen and Sam Raimi Photo: Disney/Hanna Boussouar

Os fãs do MCU abordaram tudo em seus tweets, desde os aspectos de terror do filme até as aparições que podem ou não ter acontecido – não se preocupe, não irei mencionar. Outros expressaram seus sentimentos sobre as performances de Benedict Cumberbatch e Elizabeth Olsen, sendo um deles um claro ladrão de cena.

A Gazeta reuniu parte das reações dos fãs a “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”. Sem equívocos, podemos afirmar que esta é outra vitória para a Marvel Studios. Percorra sem se preocupar, pois essas reações são livres de spoilers.

Confira:

“O queridinho”:

A maioria das primeiras reações dos fãs a “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” são cheias de emoção. O usuário do Twitter @kissmeinsanfran pulou online logo depois de ver o filme do MCU, escrevendo: “Acabei de ver #DoctorStrange NO MULTIVERSO DA LOUCURA E FOI INCRÍVEL”. @CloudVinters também foi ao aplicativo para compartilhar seus sentimentos, dizendo: “Acabei de ver Dr Strange e WOW, parabéns à Marvel por este, foi totalmente fora do que eu esperava. E cara, quase, quase horror”. O usuário também disse que é muito importante que os fãs assistam “WandaVision” antes de ver o filme, e isso foi algo que muitos outros espectadores de “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” também notaram. “Acabei de ver o novo #DoctorStrange, foi muito. Por favor, assista wandavision primeiro, caso contrário você ficará completamente perdido”, confirmou @FormulaY4DE.

O usuário @Stef_dag acrescentou ao hype, escrevendo: “Acabei de ver o médico estranho no multiverso da loucura e … caramba, foi como uma montanha-russa”. Muitos fãs admitiram que o filme era muito para processar – no bom sentido – com os usuários @JoelHendrix e @lenas_viewing notando que precisariam de algum tempo para deixar tudo absorver. 

Sam Raimi:

Embora tenha havido muitos aplausos pelas performances em “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”, um nome que parecia continuar aparecendo nos tweets era o do diretor Sam Raimi. Conhecido pela trilogia “Homem-Aranha” e filmes como “Arraste-Me para o Inferno”, Raimi tem experiência nos gêneros de super-heróis e terror. Mas, surpreendentemente, ele não dirige um longa-metragem desde “Oz: Mágico e Poderoso”, de 2013. Seus fãs certamente ficaram felizes em vê-lo de volta atrás das câmeras e adoraram o trabalho que ele fez na sequência do MCU.

“Assisti ontem à noite e aplaudo Sam Raimi por dar ao público um banquete para os olhos e dar nova vida e cor ao MCU”, @richardmz13 twittou em apoio ao diretor. Alguém que não tem vergonha de expressar seu amor por Raimi foi o tweeter @davidy4ng, que escreveu: “Obrigado Sam Raimi. O MCU nunca esteve tão perto do gênero de terror e eu amo isso. Precisamos de mais Sam Raimi no MCU. Vamos fazer um Universo Marvel em torno de Sam Raimi.”

Elizabeth Olsen:

Houve muitos elogios a Benedict Cumberbatch no Twitter em meio às primeiras reações dos fãs a “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”, mas ele não era a estrela. Elizabeth Olsen é a campeã deste filme, com centenas de tweets absolutamente delirantes sobre sua atuação como Wanda Maximoff, também conhecida como Feiticeira Escarlate. “Melhor performance de Elizabeth Olsen, ela é a Wanda perfeita”, twittou @s4m_bld. “Elizabeth Olsen teve talvez o melhor desempenho de sua carreira”, acrescentou @_pires_21. “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” marca o sexto projeto de MCU de Olsen e o 19º no geral, então essas reações dos fãs não são nada para ignorar. 

Aqueles capazes de ver “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” também mencionaram como Olsen deve ser reconhecido na temporada de premiações. O usuário @thoughtswithal twittou: “piadas à parte… #MultiverseofMadness É INCRÍVEL. tantos momentos fenomenais, mas, o que eu quero dizer é; se este não fosse um filme da Marvel, Elizabeth Olsen estaria recebendo as grandes indicações. absolutamente. Desempenho INCRÍVEL em um filme incrível.” Espelhando esse sentimento estava @itskevmosby, que escreveu: “Elizabeth Olsen possuía a #DoctorStrange no Multiverso da Loucura. Dê a ela todos os prêmios já”. O nome dela pode não estar no título do filme, mas “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” realmente parece ser o momento de Wanda.

Nem tudo são flores:

Encontrar uma reação negativa dos fãs para “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura não foi tarefa fácil”. Muitos que fizeram críticas ao filme as equilibraram com sentimentos positivos, mas deixaram claro que não é um filme perfeito. “Quando o filme começar, você entenderá que está em um passeio maluco de Sam Raimi e não há como pará-lo. É maluco. O primeiro ato precisava de um pouco mais de espaço para respirar, mas fora isso eu adorei ” @MatthewBass_ twittou. Muitos dos problemas – embora menores – que as pessoas pareciam ter com o filme eram seu ritmo, que foi destacado pelo usuário @fabricius91. Não é o filme mais longo do MCU de longe (126 minutos), mas parece que pode ter se beneficiado de um tempo de execução mais longo.

Também havia espectadores que não estavam se sentindo “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”. O usuário @FleetwoodJMac twittou: “Acho que os grandes fãs de Sam Raimi vão gostar muito mais deste filme do que eu. Entre o queijo exagerado que um filme de Raimi lhe dá e o ato final não cumprir seu destino, saí decepcionado.” Outro espectador que ficou decepcionado foi @suunflower28, que escreveu: “foi bom, mas não tão bom quanto eu esperava”.

Alguns acham que o filme fica no meio do MCU, com @BlahBoxT escrevendo: “#DoctorStrange está apenas no meio. Não é ruim, mas também não é bom. Qualquer coisa abaixo de 5/10 não é suficiente, mas qualquer coisa acima de 5 /10 é demais.”

Doutor Estranho no Multiverso da Loucura chega aos cinemas hoje, 05.

Continue lendo

Entretenimento

O que as marcas devem aprender com o marketing de influência

Publicados

em

por Nicole Pappon*
 O marketing de influência vem crescendo a cada ano e hoje, mais do que nunca, as marcas precisam estar engajadas com as causas sociais e usar o marketing para sustentar esse propósito. Em 2018, uma pesquisa sobre marketing relacionado à causas realizada pela CAUSE em parceria com Ipsos, Instituto Ayrton Senna e ESPM, já mostrava que 77% dos entrevistados esperavam que empresas contribuíssem mais para a sociedade do que contribuíram no passado e 82% delas consideravam muito importante que as companhias demonstrassem um alto grau de responsabilidade social.
Somado a isso há o crescimento desenfreado do marketing de influência nos últimos anos: o Brasil, por exemplo, já ultrapassou a China e é o maior mercado do mundo, segundo levantamento realizado pela Global Consumer Survey, que apontou que, em 2019, a porcentagem dos brasileiros impactados pelo marketing de influência era de 36% contra 40% dos chineses. Em 2021, esse número no Brasil já superou os 40%. Mas como navegar nesse mercado em transformação?
No marketing de influência, o profissional precisa estar alinhado ao propósito da empresa. Além disso, o marketing vai muito além de número de visualizações e seguidores, ele está relacionado à reputação da marca. O “oba, oba” de investir em influencers com maior número de likes já amornou, porque o mercado está amadurecendo e percebendo os riscos desse tipo de investimento aleatório. Hoje, existem diversas pesquisas que nos auxiliam no amadurecimento do segmento. As marcas devem estar atentas a diversas questões que podem gerar motivo de questionamento dos consumidores.
Um estudo liderado por uma especialista em novos comportamentos de consumo em contextos digitais, a professora de marketing Rebecca Mardon, da Cardiff Business School, no Reino Unido, apontou que os seguidores criticam as marcas que acreditam ter um alto nível de controle sobre o conteúdo do influenciador, principalmente quando isso prejudica o prazer do espectador. Por exemplo, eles responderam negativamente quando sentiram que o influenciador havia recebido um script ou pediram uma alta frequência de menções ao produto.
Estamos no momento do diálogo e das conexões com potencial transformador. As marcas têm a oportunidade de encontrar a convergência entre seu propósito e as demandas da sociedade, engajando seus públicos na busca por impacto positivo. E hoje, a velocidade surreal da informação nas redes sociais pode derrubar a reputação em segundos, respingando em todos os patrocinadores e envolvidos de alguma forma com as partes que causaram controvérsia. O posicionamento das marcas parceiras em relação ao que está sendo divulgado é quase instantâneo, a exemplo do que podemos notar no Big Brother Brasil, um dos maiores reality show do mundo. O mundo mudou, o consumidor mudou, está mais exigente e as marcas precisam seguir este movimento — toda a inovação, seja no produto ou somente na empresa, é mostrada nas provas realizadas no BBB. É um meio de comunicar ainda mais ágil o que determinada marca está fazendo em seu segmento de atuação.
Dessa forma, existem diversas questões envolvendo o marketing de influência que precisam ser consideradas à medida que esse mercado vai amadurecendo. O mais importante é que a marca e os influenciadores estejam alinhados a causas — com convicção, coerência e consistência, sem exageros, mantendo sempre, sua autenticidade. 
*Nicole Pappon é uma das sócias fundadoras da Grapa Digital. Possui rápida ascensão no mercado de marketing digital e publicidade, onde atua há pouco mais de 3 anos, sendo especialista em gestão de campanhas e assessoria de influenciadores, realizando ações e campanhas nacionais e internacionais. É formada em Publicidade e Propaganda pela Anhembi Morumbi.
Continue lendo
Propaganda
Propaganda
Propaganda

Últimas Notícias