Veterinária formada na UniFaj traz para Jaguariúna modelo de atendimento diferenciado

VetMóvel geracomodidade para os donos de pet

A veterinária Marina Hayar Del Poente saiu de São Paulo em 2014 para estudar no Centro Universitário de Jaguariúna (UniFaj). Após formada, retornou para o grande centro mas decidiu que era em Jaguariúna que gostaria de trabalhar e crescer na profissão.

Marina trouxe para a cidade um modelo de negócio que ainda não existia aqui, o VetMóvel, que atende os pets em domicílio oferecendo serviços de consultas, vacinas, exames e diagnósticos com toda a facilidade, comodidade e conforto. É um serviço que oferece segurança, principalmente neste período de pandemia.

“Com essa mobilidade, a gente consegue levar o atendimento veterinário para as zonas rurais. Quem não tem deslocamento, pessoas idosas e quem trabalha o dia todo, a gente consegue ir até a casa do cliente após o horário comercial”, explica.

OLHO

“É muito gratificante quando você consegue oferecer um serviço para toda a população em geral, para todas as classes sociais”

Já são dois anos que Marina atua com o VetMóvel e conta que, principalmente quem não tem locomoção, adotou a ideia. “E, com a pandemia, o modelo se adequou muito ao mercado. As pessoas ficando mais tempo em casa notam os animais com mais facilidade”.

Em caso de dois chamados de urgência no mesmo momento, a veterinária explica que indica um deles para algum veterinário parceiro ou para o centro veterinário da UniFaj. “A vida do animal sempre em primeiro lugar. Se eu não posso, um outro colega deve fazer”, afirma.

Além de Jaguariúna, o VetMóvel realiza atendimentos em toda a região. A equipe cresce gradualmente e a veterinária visa em fazer, em breve, uma base fixa no município. “A cidade é muito próspera, muito receptiva. Percebi que ao longo desses anos, todos os comércios e estabelecimentos que se abriam tinha sucesso, então eu acho que tem tudo para o negócio crescer junto com o município”, diz Marina.

“Acho que não sei o que faria se não fosse veterinária. Faço com muito gosto e quando a gente faz o que gosta nem parece que estamos trabalhando. Gostaria de continuar minha carreira aqui e trazer minha família o mais próximo daqui para crescer junto. As pessoas de Jaguariúna me acolheram muito bem”, finaliza.

× Fale com a Gazeta