Para atender demanda da Covid, Saúde de Jaguariúna amplia frota de ambulâncias

O número supera a quantidade de veículos recomendada pelo Ministério da Saúde, que é de uma ambulância para cada 100 mil habitantes

A Prefeitura de Jaguariúna, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, está ampliando a frota de ambulâncias do município. Para atender ao aumento da demanda de deslocamento de pacientes devido à pandemia do Covid-19, a Secretaria aumentou a frota municipal de ambulâncias em 20%, passando de 10 para 12 veículos.

Além dessas duas novas viaturas, a Secretaria já abriu licitação para a compra de pelo menos mais uma ambulância, o que amplia a frota para 13 carros. O número supera a quantidade de veículos recomendada pelo Ministério da Saúde, que é de uma ambulância para cada 100 mil habitantes. Em Jaguariúna, o índice atual é de um veículo para cada 5.000 habitantes.

“Renovamos nossa frota de veículos da saúde, pois esses andam praticamente 24h por dia, e buscamos a segurança tanto de profissionais quanto dos pacientes por eles transportados. Buscamos a cada dia uma assistência mais rápida aos casos de urgência e emergência. Nosso objetivo é salvar vidas e ampliar o atendimento aos munícipes”, diz a secretária de Saúde de Jaguariúna, Maria do Carmo de Oliveira Pelisão.

Além de 12 ambulâncias, Jaguariúna ainda possui uma frota com outros 12 veículos e três vans, a maioria para o transporte de pacientes, inclusive deficientes físicos.

Atendimentos
Até agosto deste ano, a Secretaria de Saúde de Jaguariúna atendeu 21.050 pacientes, sendo 5.310 com ambulâncias. A Secretaria reforça que o serviço de ambulância está disponível para a população em momentos de urgência e emergência médica e funciona 24 horas por dia, todos os dias da semana.

A ligação pode ser realizada por qualquer telefone fixo ou móvel. O serviço presta socorro em emergências de natureza traumática, clínica, pediátrica, cirúrgica, gineco-obstétrica e de saúde mental para a população em qualquer lugar, seja na residência, local de trabalho ou vias públicas.

Foto – Samuel Oliveira

× Fale com a Gazeta