Artur Nogueira inicia rodízio de água neste sábado, 31, após decretar calamidade hídrica

Plano foi divulgado por empresa responsável pelos serviços de água e saneamento no município; Administração divulgou decreto válido por 180 dias

Artur Nogueira inicia neste sábado, 31, o rodízio de água após decretar calamidade hídrica em virtude das dificuldades para manter o abastecimento. Segundo a Saean, empresa responsável pelos serviços de água e saneamento no município, os municípios serão divididos em dois grupos e o abastecimento será alternado por 24 horas, mas pode ser elevado por 48 horas.

“Quando o Grupo 1 de bairros estiver recebendo água, o Grupo 2 não receberá e assim sucessivamente. Com a incerteza do período chuvoso, temos que tomar medidas para o abastecimento de forma regular para que tenhamos o abastecimento de forma mais homogênea possível”, diz nota da Saean ao informar que o abastecimento começa pelo Grupo 1.

“O Saean informará diariamente quais grupos serão abastecidos enquanto durar o rodizio”, informa texto ao mencionar que caminhões-pipa devem ser usados como suporte aos reservatórios dos bairros. Ainda de acordo com a empresa, os bairros Bom Jardim, Leonor, Manacás e San Marino, que têm abastecimento exclusivo por poço, podem ter fornecimento parado para que os reservatórios tenham nível suficiente para abastecer as áreas mais elevadas da cidade. “O abastecimento de usuários essenciais como hospitais, maternidades, postos de saúde, unidades de hemodiálise, creches, escolas e Corpo de Bombeiros, terão abastecimento priorizado por caminhão-pipa”, destaca outro trecho da nota da Saean.

Calamidade hídrica
O decreto de calamidade hídrica vale por 180 dias, segundo a prefeitura. De acordo com o Executivo, a falta de chuvas reduziu o nível da represa Cotrins, que atende ao município, e prejudicou a captação.

No decreto, a administração municipal proíbe o funcionamento de serviços de lava a jato, lavador automático e lavagem manual de veículos em postos de combustíveis. A prefeitura também vetou o uso de água tratada para lavagem de veículos e quintais. Segundo o documento, as práticas só estão autorizadas nas seguintes situações:

Aproveitamento de águas pluviais
Uso de água de caminhão-pipa, revendida por empresa legalizada;
Captação de água subterrânea – desde que exista outorga do Departamento Estadual de Águas e Energia Elétrica do Estado de São Paulo (DAEE);
Tratamento e reaproveitamento de água usada no processo de lavagem;

O governo municipal estabeleceu multa de R$5 mil para quem descumprir a proibição do uso dos lava a jatos e lavadores automáticos e R$500 ao morador que usar a água para lavar calçadas. Em caso de reincidência, os valores serão dobrados. A fiscalização é feita pelo Sean.

Confira a divisão dos grupos: Grupo 1

Blumenau; Benvenuto; Centro; Centro Alto (Tiradentes, Fernando Arens, entornos); Conquista 1 e 2; Jardim de Faveri; Jd Rezek; Jd. Amaro; Jd. Do Trevo; Jd. Paraíso; Jd. Wada; Laranjeiras; Nosso Recanto; Nova Artur; Orlando Corrêa Barbosa; Orquídeas; Ouro Branco; Parque das Flores; Planalto 01; Planalto 02; Planalto 03; Res. Jd. Leda; Resek; Ricardo Duzzi; Rota das Flores; Saciloto 01; Santa Rosa; São José; São Luiz; São Vicente; Vila Queiroz; Itamaraty; Martinelli; Jd. Do Lago; Jatobá;

Grupo 2

Coração Criança; Ipês; Palmeiras; Parque dos Trabalhadores; Sacilotto 2; Torres; Vista Alegre; Nogueira; Conservani; Egydio Tagliari; Josephin Tagliari; Decolores; Casinhas (Nosso Sonho); Bela Vista 2; Cidade Jardim; Arrivabene 4.

Por: G1 Campinas e região.

× Fale com a Gazeta