Reflexos da pandemia: Supervisora do PAT Jaguariúna fala sobre tendências no mercado de trabalho

Muitos setores devem crescer pós-pandemia, dentre eles o da saúde mental e logística

Segundo o IBGE, a pandemia da Covid-19 destruiu 7,8 milhões de postos de trabalho no Brasil até o mês de maio. Isso fez com que a população ocupada tivesse caído 8,3% na comparação com o trimestre encerrado em fevereiro, indo para 85,9 milhões de pessoas.

Muitas pessoas que já estavam desempregadas ou que perderam o emprego por causa da pandemia de coronavírus precisam buscar uma nova oportunidade de trabalho em meio à quarentena. A supervisora do Posto de Atendimento ao Trabalhador, Renata Lopes, dá algumas dicas das tendências de mercado neste período.

Gazeta Regional: Com o Covid-19, quais as tendências de mercado?
Renata Lopes: Toda dificuldade faz pararmos para pensar, ter resolver e ter criatividades para mudanças. Quando percebem que há diminuição de custos e aumento de resultados, muitas ações permanecem em todos os setores do mercado de trabalho. Tivemos que criar, por exemplo, vendas onlines, que já eram tendências e muitos protelavam. Muitos homework, reuniões online, são esforços minimizados que resultam em qualidade e produtividade nas empresas.

A tendência do mercado de trabalho que crescerá muito são todos os setores de saúde, inclusive mental, pós-pandemia teremos muitos reflexos em todos os sentidos. Teremos um crescimento e, já estamos sentindo na parte de logística, desde a compra feita por site, profissionais de TI até a entrega de mercadoria. No Marketing Digital. Profissionais de ensino a distância, que acredito ter sido um dos maiores desafios por parte de professores que trabalhavam com giz e lousa e rapidamente precisaram substituir por vídeos e computadores.

Podemos ver que a pandemia adiantou a Revolução 4.0 em nossos serviços como seguro desemprego que antes se enfrentava às vezes espera no Posto de até 2 horas, pode se resolver em 15 minutos pelo celular através do aplicativo da carteira de Trabalho Digital. Que é outra novidade e se destacou muito nesta pandemia, a Carteira de trabalho Digital pode ser baixada no celular, não tem mais a necessidade de tirar foto, ter o cuidado de não perder a tal foto chancelada pelo Ministério se não perdia a validade. Tudo acaba ficando mais simples e fácil.

Gazeta Regional: De que maneira as mudanças causadas pela pandemia atingem os trabalhadores?
Renata Lopes: Vejo de duas formas, uma do trabalhador precisar se modificar se atualizar. Aceitar e perceber que é necessário a mudança.

Já estamos na era digital, agora mais que nunca. Desde 2009 na primeira gestão do nosso Prefeito Gustavo Reis, a Secretaria do Trabalho em parceria com o Instituto Stefanini implantou um curso totalmente gratuito de informática, na época até pensando nos Porteiros que tinham a necessidade de se adequar a nova ferramenta, mas era aberto a qualquer desempregado, com o objetivo de qualificá-los para o reemprego. Hoje, informática tem que estar incluído nos conhecimentos de qualquer trabalhador.

Outra forma, esse trabalhador terá que estar mais atento tanto na procura do emprego quanto na permanência dele no trabalho. Já estava difícil concorrer a uma vaga de emprego antes da pandemia, se pensarmos que com toda dificuldade os empregadores trabalharam com o quadro reduzido, este trabalhador atual, tem que se dedicar mais e a procura aumenta. Ele tem que ser melhor, ele tem que ter mais qualificações.

Para se candidatar a vagas, no momento está sendo 100% online, por meio de currículos enviados por email, cadastro em sites de empresas e agências e a tendência é permanecer assim, o que muda na forma de se preparar para a busca do emprego também.

O trabalhador tem que colocar no currículo as habilidades e competências da vaga que está se candidatando e convencer o selecionador que ele é o melhor candidato para a vaga e conseguir uma entrevista. Ele não pode mais ficar com aquele currículo pronto, que muitas vezes nem foi ele que fez, entregando para todas as vagas sem sentido.

“Eu sempre digo que dá trabalho procurar trabalho!”

Renata Lopes

Gazeta Regional: Como é possível acompanhar as mudanças?
Renata Lopes: Tem que estar realmente comprometido em querer. O PAT oferece um curso preparatório para a recolocação no mercado de trabalho, com um material riquíssimo. Oferece ao trabalhador ferramentas que fazem a diferença na concorrência da conquista da vaga no mercado de trabalho.

Gazeta Regional: Neste cenário, há quem saia perdendo ou ganhando?
Renata Lopes: Sai perdendo quem permanecer no lugar e ganhando quem se permitir a mudança, busca por qualificações é essencial. Temos muitos cursos oferecidos gratuitos online e conseguimos fazer até por celular.

Gazeta Regional: É possível dizer que os trabalhadores sairão desta crise mais preparados para o mercado de trabalho?
Renata Lopes: Acredito que sim, toda dificuldade nos faz melhores. É claro que toda batalha tem os vencedores e os vencidos e neste momento quem ficar sentado esperando acontecer será vencido.

× Fale com a Gazeta