Covid-19: em meio à discussão por reabertura, número de mortes em Campinas sobe 264% em um mês

Primeiro óbito registrado foi em 28 de março; neste mês, entre 28 de maio e 27 de junho, foram 215 confirmados. Cidade tem um leito de UTI exclusivo para coronavírus disponível na rede estadual e SUS municipal lotado pelo 17º dia seguido

Quando Campinas projetou e iniciou a reabertura gradual do comércio, no início de junho, a expectativa era de uma contenção do número de casos de coronavírus, para que a cidade pudesse avançar no plano de retomada do Governo de São Paulo. Agora, nesta terça-feira, 30, em que se completa exatos três meses do anúncio da primeira morte por Covid-19 no município, o que se vê é um cenário com o número de óbitos tendo disparado e subido 264,4% nos últimos 30 dias.

Desde o início da pandemia, foram 296 mortes e um total de 7.848 moradores infectados em Campinas, segundo os dados divulgados diariamente pela prefeitura. Com base no balanço do governo estadual, a cidade soma 297 mortes até esta terça.

Para efeito de comparação, o G1 usou os dados da prefeitura e separou os óbitos de acordo com a data em que ocorreram, contando a partir da primeira morte confirmada, que aconteceu no dia 28 de março. Assim:

No primeiro mês, entre 28 de março e 27 de abril, aconteceram 21 óbitos.
No segundo mês, entre 28 de abril e 27 de maio, foram 59 mortes – aumento de 181% em relação ao mês anterior.
Agora, no terceiro mês, entre 28 de maio e 27 de junho, foram 215 óbitos – aumento de 264,4% em relação ao mês anterior.
Uma morte não entrou nessa conta, porque aconteceu já no dia 28 de junho, abrindo o quarto mês após a primeira confirmação.

Essa disparada no número de mortes e de casos, somada à pressão no sistema público de saúde com o aumento da demanda, fez com que o município, inicialmente classificado na fase laranja do plano de retomada, recebesse recomendações para o fechamento do comércio, o que aconteceu duas semanas depois da retomada – que teve aglomerações e filas nos primeiros dias.

O aumento das mortes na cidade acompanha o avanço da epidemia do novo coronavírus para o interior do estado. Neste mês, o G1 mostrou que o número de casos nas cidades do interior quadruplicou, enquanto na capital quase triplicou.

Público x privado
Apesar do novo fechamento do comércio e da abertura de novos leitos de UTI específicos para tratamento de pacientes com coronavírus, as vagas de alta complexidade disponíveis no SUS Municipal ficaram lotadas pelo 17º dia seguido nesta segunda-feira, 29. Enquanto isso, o SUS estadual tinha apenas um leito disponível.

Já na rede privada, eram 120 pacientes em 158 leitos de UTI instalados, o que equivale a 76% de lotação. Essas vagas importam para o município como um todo porque a Prefeitura de Campinas tem comprado leitos particulares diante da lotação no SUS.

E em relação ao número total de óbitos, é possível uma diferença entre a quantidade em cada rede. Enquanto no sistema público foram 167 mortes, no privado foram 121. Outros oito moradores estavam em casa quando faleceram.

Por: Régis Melo
Fonte: G1 Campinas e Região

× Fale com a Gazeta