Comércio de rua e shoppings voltam a fechar em Campinas

O prefeito de Campinas, Jonas Donizette, decidiu voltar a fechar o comércio de rua e shoppings centers a partir da próxima semana. Neste sábado, 20, deve ser publicado um novo decreto em edição extraordinária determinando o fechamento dos estabelecimentos de segunda-feira, 22, até a outra segunda, dia 29, com possibilidade de prorrogação. O anúncio foi feito em transmissão ao vivo nas redes sociais nesta sexta-feira, 19.

O governo do estado já tinha decidido na manhã desta sexta-feira, 19, manter a região de Campinas na fase 2 de cor laranja porque a taxa de letalidade em decorrência da Covid-19 ainda está abaixo de 4%, mas fez recomendações técnicas para o prefeito analisar o retrocesso à fase 1 vermelha (funcionando apenas serviços essenciais) devido ao aumento de casos, internações e mortes na cidade. Com essa recomendação do estado, o prefeito de Campinas decidiu manter a cidade na fase 2 laranja, porém com restrição dos comércios de rua e shoppings centers.

Jonas ressalta três justificativas para a decisão: salvaguardar a vida das pessoas devido ao alto índice de ocupação de leitos hospitalares. “Precisamos pensar nas vidas. Do jeito que está, estamos enxugando gelo”, diz o prefeito. A segunda foi mostrar para a população que as coisas não estão normais. “Estamos numa pandemia e tem pessoas que tem dificuldades de ter essa compreensão”, diz. E também dar alento aos profissionais de saúde. “Muitos trabalhadores da saúde estão tendo muito trabalho face a face com a doença e alguns chegam a ficar indignados com as pessoas que estão vivendo em outra realidade”, afirma Jonas.

Segundo o prefeito, a aglomeração nos comércios de rua, em especial na região central, também foi um fator importante para determinar o fechamento a partir da próxima semana. Em relação aos shoppings, Jonas afirma que não teve muitos problemas desde a abertura no dia 1º de junho. “As administrações dos shoppings fizeram tudo certinho, não tivemos problemas, mas seria injusto fechar apenas uma camada dos comerciantes”, justifica.

× Fale com a Gazeta