Reflexos da Pandemia: “É muito difícil olhar para o seu negócio e ver que ele está respirando por maquinas”, diz empresária

A hamburgueria Gaucho’s Burguer durante a pandemia tem reforçado o atendimento delivery, modalidade qual a empresa sempre trabalhou. O reforço consiste, principalmente, em cuidar dos clientes para que tenham um bom atendimento pelos canais de venda.

Na semana antes do decreto de quarentena do Governo do Estado e, consequentemente do município, a proprietária Mônica Kologeski relata que o movimento no estabelecimento havia diminuído. “Mesmo com todas as normas sanitárias adotadas o pessoal reduziu o consumo nas lojas e, quando se tornou obrigatório, aí sim foi uma caída semanal”. A queda representa cerca de 40 e 50% do faturamento da empresa.

Para manter os colaboradores, a empresária adotou o plano do governo e uma parte dos funcionários foi afastada. No entanto, não foi possível adequar à solução para todos e quem tinha contrato foi dispensado. “Não teve como manter a quantidade de funcionário pela quantia da redução de serviço”, explica.

Mônica também tentou manter os colaboradores com uma forma de escala para que ninguém fosse prejudicado e conseguir manter a produção da empresa. “Quando começou a pandemia, na primeira semana, foi feita uma reunião: explicamos que trabalharíamos com equipe reduzida e quando tudo voltar, iremos chamar todos de volta”.

OLHO

Alexandre Cunha é marido de Mônica e seu sócio e, segundo ela, eles estão usando o momento para tentar inovar e buscar coisas diferentes, como novos produtos. Além disso, considera essencial se reinventar.

A empresária diz que, como proprietária, se preocupa com as famílias que dependem do seu negócio. “Como a gente tem essa preocupação com eles, a gente espera que isso acabe o quanto antes para que os impactos na vida de todos sejam os menores”.

Além disso, hamburgueria tem feito promoções para tentar incentivar o consumo e a empresária agradece a parceria de todos os clientes. “A gente fica muito feliz em poder contar com a população de Jaguariúna”, finaliza.

× Fale com a Gazeta