Painel de carro derrete após dona deixar recipiente com álcool em gel no veículo, no DF

Além do produto, carregador de celular estava no automóvel; perícia vai determinar causa do fogo; Especialista afirma que contato entre álcool e material eletrônico pode provocar incêndio

A supervisora comercial Mônica Franco levou um susto, na terça-feira, 09, após deixar um recipiente com álcool em gel dentro do carro, no Distrito Federal. Ao voltar ao veículo, ela percebeu que parte do painel do automóvel estava totalmente derretida e os objetos no porta luvas também haviam ficado destruídos.

O carro estava fechado enquanto a motorista permaneceu fora, durante a tarde. Além do álcool em gel, um carregador de celular também no veículo, mas a dona acredita que os dois objetos não estavam próximos. Só uma perícia vai poder determinar o que causou o fogo.

Segundo a perita criminal da Polícia Civil do DF Camila Guesine, o risco de o álcool em gel causar um incêndio por si só é baixo, mesmo em ambientes quentes e fechados. Porém, ela afirma que o contato com equipamentos eletrônicos pode provocar chamas.

“O álcool em gel, para entrar em autocombustão, para se inflamar sozinho de forma instantânea, precisa atingir uma temperatura acima de 300ºC, o que é algo extremamente difícil. Fica claro que dificilmente, seu veículo ali fechado, exposto ao sol, atinja uma temperatura acima dessa”, diz.

“Uma coisa à qual a gente precisa se atentar é a forma como armazenar o álcool em gel dentro do veículo. Se você está deixando ele próximo a partes elétricas, a carregadores celulares conectados, a carregadores portáteis, a dispositivos eletrônicos em funcionamento, pode ser que isso sim, em contato com o álcool em gel gere o incêndio”, continua.

× Fale com a Gazeta