Chuva causa mortes na Baixada Santista

A Defesa Civil do Estado informa que as fortes chuvas que incidiram sobre a região da Baixada Santista na madrugada de terça-feira, 03, provocaram, até o momento, 21 óbitos e 28 desaparecidos, nos seguintes municípios: Guarujá (17 óbitos e 21 desaparecidos), Santos (3 óbitos e 5 desaparecidos) e São Vicente (1 óbito e 2 desaparecidos).

O número atual de desabrigados é de 118 no Guarujá, 3 em São Vicente e 150 em Santos. Quanto aos desalojados computados, são 100 em Santos e 20 em São Vicente.

Foram disponibilizadas 15,6 toneladas de materiais de ajuda humanitária (colchões, cobertores, cestas básicas, roupas, água sanitária e água potável) aos municípios afetados. Tais materiais permanecem armazenados no depósito do Fundo Social de Santos e são distribuídos mediante solicitação das defesas civis municipais.

O Coordenador Estadual de Proteção e Defesa Civil, Coronel PM Walter Nyakas Junior, e equipe, permanecem na região, em reuniões com o Gabinete de Crise, avaliando as necessidades e a atuação das equipes de salvamento.

No Diário Oficial do Estado desta quarta-feira, 04, o Governador João Doria homologou sumariamente os decretos municipais de situação de anormalidade do Guarujá (estado de calamidade pública), Santos e São Vicente (situação de emergência). Agora, seguem para a Defesa Civil Nacional para o devido reconhecimento federal.

Dados do Núcleo de Gerenciamento de Emergência da Defesa Civil do Estado indicam que, até as 4h da manhã de terça, 03, o acumulado nas últimas 12 horas de chuvas no Guarujá foi de 282 mm, em Santos de 218 mm, em Praia Grande 170 mm, São Vicente 169 mm, Mongaguá 160 mm, Cubatão 132 mm e tanto Itanhaém como Bertioga o acumulado foi de 110 mm.

Nas últimas 24 horas, a contar das 6h de hoje, 04, foram registrados mais 56mm no Guarujá (acumulados de 405mm em 72h), 47mm em São Vicente (267mm em 72h) e 42mm em Santos (359mm em 72h). A previsão para esta quarta-feira (4) é de chuva fraca, mas persistente, alternando com períodos de céu nublado. O volume previsto não deve ser significativo, inferior aos 10mm. No entanto, continua na Baixada o alerta de risco para novos deslizamentos em virtude dos altos acumulados (72h) e do solo continuar encharcado.

× Fale com a Gazeta