Campeonato Municipal de Futsal Feminino é realidade em Jaguariúna; Conheça as equipes

Essa é a primeira vez na história que Jaguariúna tem uma competição oficial de futsal feminino no calendário esportivo

Paula Partyka – [email protected]

O primeiro Campeonato Municipal de Futsal Feminino de Jaguariúna começou. Organizado pela Secretaria de Juventude, Esporte e Lazer (SeJEL), a competição conta com oito times e cerca de 120 atletas. Por isso, a Gazeta Regional dá continuidade a uma série de matérias sobre os times participantes.
Confira a edição 1709, para saber mais sobre a história do time Audaz; a 1710 sobre o time da UniFaj; 1711 a história do Lyon e Adaga; na 1712 sobre o time feminino da Ponte Preta e essa, 1713, sobre o Fênix Colina.

A Fênix tem, desde 2006, o time masculino e, agora em 2020, iniciou o trabalho com as equipe feminina. O time, como a maioria, nasceu após a notícia do campeonato. “Eu nem sabia que tinha meninas que jogavam bola em Jaguariúna. Mas aí fomos surpreendidos”, conta o responsável e técnico, André Matos.
A nova equipe ainda não conseguiu realizar treinos com todas as jogadoras em quadra, pois eles são divididos em turnos matutino e vespertino. “Está sendo bem difícil. Tem meninas que trabalham e o time nunca está disponível no mesmo horário, mas está dando para treinar”, comenta. O time todo se reúne nos jogos, aos domingos de manhã.
A goleira, Cátia Araújo Costa Barros, considera a iniciativa do Campeonato é muito boa. “Porque parece que existe um preconceito que só homem pode jogar, então, para mim, foi uma iniciativa muito boa”, comenta a atleta.
André compartilha da mesma opinião. “Acredito que depois dessa edição muitas meninas vão querer jogar e em dois ou três anos a gente consegue melhorar o nível técnico e aí podemos chegar mais longe”.
Para Cátia, o Campeonato está abrindo espaço para outras meninas. “Está aparecendo cada vez mais times e meninas interessadas em jogar”, acrescenta.
Ambos estão felizes com os jogos e com o público que tem ido prestigiar a competição. “Que seja o primeiro de muitos”, diz André.

× Fale com a Gazeta