Câmara aprova impeachment de Trump; entenda o que acontece agora

Presidente fica no cargo e responde a julgamento no Senado, onde maioria é republicana e deve mantê-lo no poder

O impeachment do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, foi aprovado nesta quarta-feira, 18, pela Câmara dos Deputados. No entanto, Trump continua no cargo enquanto espera o resultado de seu julgamento no Senado, que deve começar em janeiro.

A Câmara agora seleciona parlamentares para atuarem como se fossem promotores e apresentarem o caso contra o presidente no julgamento no Senado. Os democratas da Câmara dizem que a maioria dos gerentes deve sair do Comitê Judiciário da casa, e possivelmente do Comitê de Inteligência, que liderou a investigação. Muitos deputados esperam ser selecionados para o cargo, que é de grande importância.

O julgamento no Senado que determina se Trump será ou não removido do cargo deve começar no início de janeiro, de acordo com a previsão do líder da maioria no Senado, o republicano Mitch McConnell.

Para perder o mandato, Trump precisa ser condenado por dois terços do Senado. No entanto, a casa tem em sua maioria republicanos. Desta forma, seria necessário que cerca de 20 dos 53 senadores do partido do presidente votassem contra ele, o que não deverá acontecer.

O presidente da Suprema Corte dos EUA, John Roberts, deve presidir o julgamento. Os gerentes apontados pela Câmara apresentarão o caso contra Trump e a equipe jurídica do presidente responde, com os senadores atuando como membros do júri.

Um julgamento poderia envolver depoimentos de testemunhas e um extenso cronograma. O processo pode acontecer no período entre seis dias e uma semana ou se estender para até seis semanas de duração.

McConnell já disse que o Senado poderia realizar uma opção mais curta, votando os artigos do impeachment após as arguições de abertura, pulando os depoimentos de testemunhas, mas, segundo a agência Reuters, o líder republicano ainda está se consultando com a Casa Branca sobre isso.

× Fale com a Gazeta