Suspeito de matar mulher esfaqueada em Santo Antônio de Posse será indiciado por feminicídio

Caso é registrado pela Polícia Civil na Delegacia de Jaguariúna;
Ele será indiciado por homicídio, com a qualificadora do feminicídio

Um homem foi preso neste domingo, 25, em Santo Antônio de Posse, suspeito de matar a mulher, esfaqueada em casa, na região central do município. O corpo de Ana Paula Roque, de 27 anos, foi encontrado pela manhã, após parentes acionarem a Polícia Municipal, enquanto o suspeito foi achado em um bar.

No local houve apreensão de uma faca e a Polícia Científica foi acionada para realizar perícia. De acordo com as informações passadas pelos vizinhos, o casal morava no local há cerca de um ano. Uma prima da vítima disse que os dois tinham um histórico de brigas e, que o suspeito do crime, fazia uso frequente de bebidas alcoólicas e drogas.

Ele será indiciado por homicídio, com a qualificadora do feminicídio, além de motivo fútil e impossibilidade da defesa da vítima. O homem confessou que agrediu a vítima com socos durante uma discussão, mas disse em depoimento que ela própria se esfaqueou. No entanto, segundo vizinhos, ao sair da casa na manhã de domingo, ele afirmou que havia matado a mulher.

“Ele passou por mim e falou: eu matei minha mulher. Quando ele desceu a rua, eu pulei o muro e vi que ele tinha matado mesmo. Ele confessou sim, não só para mim como para outras pessoas também”, afirmou um vizinho que não quis se identificar.

De acordo com o delegado titular da Delegacia de Jaguariúna, que investiga o crime, o relacionamento dos dois era conturbado, com muitas brigas e a vítima já tinha uma medida protetiva contra o suspeito. No entanto, há nove meses ele havia voltado para a residência.

“Era um relacionamento abusivo, de agressões mútuas, era bem difícil. Tudo começa com a injúria, depois ameaça, lesão, depois a tentativa de homicídio, e aí o estágio final infelizmente é a morte da vítima. A nossa orientação é que a mulher não pague para ver e se afaste imediatamente ao primeiro sinal de um relacionamento assim”, explica o delegado.

Com informações do G1.

× Fale com a Gazeta