Morador em Jaguariúna entrega para a Polícia Militar plantação de maconha e armas

Morador de Jaguariúna, da região do Jardim Dom Bosco, 28 anos, ligou para a Polícia Militar (Copom) 190, e pediu ajuda, na quarta-feira, 08. O homem alegou que queria se entregar pois tinha uma plantação de maconha e armas em casa e que também tinha discutido com o pai.

Os policiais foram até o endereço e constataram que a situação era dramática e necessitava de ajuda médica. De acordo com as informações, o homem disse que não aguentava mais o vício e após se apresentar na delegacia, com a ajuda dos policiais, foi internado em uma clínica de recuperação, em Artur Nogueira.

“Nunca recebi um chamado assim. A gente sempre ajuda as pessoas, mas o apelo dele nos comoveu. Estava muito transtornado e disse que queria mudar de vida” , conta o subtenente Wendell Norder Rocha.

Segundo o indivíduo, o vício começou aos 13 anos. Além de fumar maconha, ele também usa outros tipos de droga pesada. Apesar da dependência química, segundo Norder, o rapaz não tinha passagem criminal. “Ele disse que queria ser preso porque tinha os pés de maconha. Nos mostrou marcas no pescoço que seriam de uma tentativa de suicídio que tinha acabado de fazer. E nos falou: ‘sou gente do bem, mas preciso de ajuda’” , conta.

Segundo o subtenente, o desempregado mostrou as armas, que eram réplicas e também a plantação de maconha que ele alegou ser para consumo próprio. No total, havia nove pés da erva na horta. Todo o material foi apresentado na delegacia.

Ele foi ouvido pela Polícia Civil, a qual fez um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) e o liberou. Comovidos com o desespero do rapaz, os policiais militares conseguiram a internado para ele em uma clínica de recuperação, como desejava. “Ficamos felizes pelo desfecho da ocorrência. Ainda bem que ele queria ajuda. Prometi que o visitaria e ele ficou feliz” , resume Norder.

Com informações Correio Popular. Foto: Roberto Torrecilhas.

× Chat - Fale com a Gazeta