Reflexos da pandemia: Clínica estética sofre redução de faturamento e busca adaptar-se ao período

O setor não é considerado essencial e busca alternativas para manter funcionários

A empresária Dra. Gisele Campos, proprietária e fisioterapeuta dermato funcional da Clínica Mademoiselle, de Amparo, conta que as adaptações em tempo de quarentena não tem sido fáceis. O prejuízo mensal da empresária é grande, ela conta que em abril teve um faturamento de 2%. Neste mês de maio, com o Dia das Mães, faturamento de 5%.

Com isso, a estrutura das colaboradoras da Clinica sofreu alterações. Foi preciso fazer cortes, redução de horários e em alguns casos determinar home Office. Em outros, suspensão de trabalho por serem atendimentos totalmente presenciais e manuais.

A Clínica oferece serviços, ou seja, uma atividade humana, presencial. “Não tem como eu substituir o efeito de uma criolipólise, de um equipamento ou de uma técnica de aplicação para fazer em casa. Não é algo que eu possa entregar na casa da cliente”, explica a Dr. Gisele.

Por isso, a empresária conta que tem sido necessário pensar em algumas estratégias para vendas de produtos que as pessoas possam adquirir e usar em casa. Nesse processo, Gisele está vendendo produtos que havia disponível na Clínica, como por exemplo, produtos para desinchar, para acelerar metabolismo, para evitar de comer tanto doce, de limpeza de pele e outros, que não são o foco da clínica mas nesse momento tem sido. Gisele afirma que esses produtos não substituem os tratamentos.

Uma forma de garantir parte do faturamento, seria a venda de vouchers de serviços para serem usufruídos após a quarentena, no entanto, a esteticista optou em não usar esse tipo de recurso. “Para mim, isso não é certo, porque as pessoas estão sim preocupadas com saúde e eliminar peso, mas será que esse é o momento de vender? Será que se eu vender, por exemplo, uma criolipólise, daqui dois meses a pessoa ainda vai precisar desse tratamento? Não acho justo”.

Atendimentos on-line também não foram aderidos ou adaptados pela esteticista e suas outras colaboradoras, pois Gisele acredita que o presencial é indispensável. “É uma coisa que eu mesma criei para a Clínica de ser algo pessoal e não tratar a pessoa como um número. Tratá-la como ela merece: com aconchego e carinho”.

Na busca por vender e melhor atender suas clientes, a Mademoiselle realizou uma ação de venda de kits com um vale de massagem relaxante para o Dia das Mães. “Uma forma de carinho dos filhos com as mães e um modo para a gente ter uma venda na Clínica. Todos os kits foram montados com muito carinho, de forma manual, pensando em cada pessoa, coisa que no dia a dia, sem a pandemia, não iríamos focar tanto”.

Gisele então aposta na divulgação de produtos nas redes sociais e pretende continuar e intensificar a ideia após a quarentena. “A rede social está me ajudando muito, porque as pessoas não estão fazendo procedimentos, mas estão vendo os resultados que já tivemos, vendo os produtos e serviços. Então eu vou aumentar ainda mais a divulgação pela internet e fazer sim o serviço de delivery  quando as pessoas precisarem e aumentar a cartela de produtos na clínica”, afirma.

Afine-se

Gisele conta sobre um grupo de emagrecimento da Clínica chamado ‘Afine-se’. Nele, as clientes tem suporte de uma nutricionista de maneira on-line e teriam sessões de estética que não estão podendo ser realizadas. Mas, ainda assim, as participantes do grupo continuam emagrecendo.

“Pois a nutricionista trabalha focando neste período que estamos vivendo, na quarentena. Faz as pessoas (do grupo) entenderem que se sair do foco elas vão perder os resultados, além de tudo que já está acontecendo. Então a gente se adaptou para passar isso ao grupo”, explica.