Ei, se toca: Outubro Rosa chega para alertar a prevenção e diagnóstico do Câncer de Mama

As chances de cura são maiores quando a doença é diagnosticada precocemente; saiba quais medidas e cuidados recomendados

 Paula Partyka – paulapartyka@gazetaregional.com.br

 Com cerca de 60 mil novos casos em 2018 no Brasil, o câncer de mama é o mais comum entre as mulheres no mundo e o segundo no País, ficando atrás apenas câncer de pele não melanoma. O movimento Outubro Rosa é comemorado no mundo todo para alertar sobre a necessidade do diagnóstico e prevenção do câncer de mama, principalmente entre as mulheres, embora a doença possa, também, atingir alguns homens.

Em Jaguariúna, a Prefeitura, por meio da Secretaria de Saúde, realiza diversas atividades em todos os seus departamentos, incluindo as Unidades Básicas de Saúde (UBS’s), CAPS, no programa Melhor em Casa, Odontologia, Hospital e Unidade de Pronto Atendimento (UPA), divulgando a campanha e estimulando a participação da população. “É importante salientar que bons hábitos de vida, contribuem para prevenção do Câncer de Mama”, comenta a Secretaria de Saúde do município.

Tão temido quanto frequente, o Câncer de Mama tem mais chances de tratamento e cura quando detectado na fase inicial. Por isso, a Campanha divulga a importância do autoexame da mama e a necessidade do exame mais detalhado de mamografia.

“Nas mamografias pode-se encontrar pequenos nódulos, alguns com tamanho de um milímetro, até três anos antes da paciente poder senti-los. E esses tumores pequenos, num estágio inicial, são tratáveis com até 95% de chance de cura. O Câncer de Mama é o tipo mais comum em mulheres a partir dos 55 anos, mas também pode acometer mulheres mais jovens”, alerta a Secretaria de Saúde.

O rastreamento mamográfico consiste em realizar mamografia anual em mulheres com 40 anos ou mais. A partir dos 70 anos a frequência dependerá do critério médico. Para mulheres com risco aumentado, com histórico dessa doença na família, a mamografia deve ser feita a partir dos 35 anos e anualmente.

O diagnóstico precoce, portanto, é uma estratégia que possibilita terapias mais simples e efetivas, além de contribuir para a redução do estágio de apresentação do câncer. Assim, é importante que a população em geral e os profissionais de saúde reconheçam os sinais de alerta dos cânceres mais comuns, passíveis de melhor prognóstico se descobertos no início.

A doença tem múltiplas causas e não aparece de um dia para o outro. Embora tenha fatores genético envolvidos, sabe-se que grande parte dos cânceres se relacionam fortemente com fatores ambientais e com estilo de vida da pessoa.

De acordo com o Ministério da Saúde, estima-se que por meio da alimentação, nutrição e atividade física é possível reduzir em até 28% o risco de a mulher desenvolver câncer de mama. Controlar o peso corporal e evitar a obesidade, por meio da alimentação saudável e da prática regular de exercícios físicos e evitar o consumo de bebidas alcoólicas são recomendações básicas para prevenir o câncer de mama. A amamentação também é considerada um fator protetor.

Estatísticas

O câncer de mama responde, atualmente, por cerca de 28% dos casos novos de câncer em mulheres. O câncer de mama também acomete homens, porém é raro, representando menos de 1% do total de casos da doença. Relativamente raro antes dos 35 anos, acima desta idade sua incidência cresce progressivamente, especialmente após os 50 anos. Estatísticas indicam aumento da sua incidência tanto nos países desenvolvidos quanto nos em desenvolvimento. Em Jaguariúna, há atualmente 10 pacientes em tratamento, todos encaminhados pela Central de Regulação da Secretaria Municipal de Saúde.

Segundo a Secretaria de Saúde, Jaguariúna encontra-se em situação privilegiada em relação ao enfrentamento do câncer de mama. “Temos oferta suficiente da mamografia, sem fila de espera e com atendimento imediato durante o ano todo das pacientes que fazem o rastreamento”, conta.

No Outubro Rosa as ações são intensificadas e toda a Rede de Atenção está apta ao acolhimento, orientação e solicitação dos exames. Uma vez realizado o diagnóstico, a rede oncológica é acionada para encaminhamento aos hospitais de média e alta complexidade.

Além disso, o controle do câncer de mama é prioridade da agenda de saúde no Brasil. A perspectiva atual do SUS é impulsionar a organização das redes regionalizadas de atenção à saúde para garantir a detecção precoce, a investigação diagnóstica e o tratamento oportuno, reduzindo o número de casos de doença avançada e a mortalidade pela doença.