Processo de licitação para a Zona Azul deve ocorrer nos meses de junho e julho

Associação Comercial e Industrial e Mobilidade Urbana divulgam detalhamento de decisões sobre as vagas de estacionamento rotativo

Por Viviane Westin

A preocupação dos comerciantes e parte da população de Jaguariúna quanto a disponibilidade de vagas de estacionamento para veículos nas vias públicas da área central da cidade ainda não chegou a uma solução definitiva, desde a desativação do estacionamento rotativo, conhecido como Zona Azul. Porém, novos encaminhamentos anunciados nesta semana apontam os direcionamentos para a questão.

Presidente da ACI e secretário municipal de Mobilidade Urbana

Sobre este tema, uma nova reunião ocorreu no último dia 22 de maio entre o presidente da Associação Comercial e Industrial (ACI) de Jaguariúna, João Rodrigues dos Santos, e o secretário municipal de Mobilidade Urbana, Josino José da Silva. Afinal, já havia sido sinalizado o entendimento para que a ACI participasse desta tratativa, juntamente com o órgão público responsável, conforme divulgado em fevereiro, em matéria publicada no Jornal Gazeta Regional.

Segundo João Rodrigues e Josino, o resultado de pesquisas realizadas junto aos comerciantes e usuários da Zona Azul é um dos norteadores para a decisão de reativar a Zona Azul. “A maioria é a favor da volta da zona azul. É unânime a percepção de que sem esse serviço ficou muito difícil encontrar vaga para estacionar na área central”, observou o secretário. O presidente complementa que a rotatividade no uso dessas vagas, com maior fluxo na circulação de veículos e pessoas, reflete num melhor desempenho das vendas, por exemplo.

A definição pelo retorno da Zona Azul exige um detalhamento técnico do modelo a ser adotado para que se construa a licitação. Josino disse que a secretaria está finalizando o projeto da área que vai ser ofertada e número de vagas para uma licitação. A expectativa de João é que esse detalhamento ocorra até o final da próxima semana e o processo de licitação nos meses de junho e julho.

“A expectativa é definir os detalhes para que a oferta já ocorra até o mês de junho e para que os interessados se manifestem em julho. A lei atual permite que a empresa vencedora da licitação execute os serviços por um prazo de cinco anos, prorrogáveis por mais cinco”, detalhou João. Ele estima que atualmente são disponibilizadas cerca de 980 vagas para estacionamento rotativo.

Ainda segundo detalhado, um percentual das vagas será direcionado para o atendimento às vagas preferenciais a idosos e deficientes, com limite de tempo de permanência estimado em duas horas, além de veículos oficiais. Porém, nesse quesito também é válido que apenas um detalhamento técnico poderá mapear essas necessidades e apontar o número de vagas que serão destinadas a cada segmento.

Em relação à tarifa que será aplicada, João Rodrigues explicou que essa questão estará condicionada a detalhamentos do processo licitatório e pode sofrer alterações até a sua conclusão. Porém, garante que as duas frentes (ACI e Mobilidade) estão atentas e o valor deverá ser compatível ao serviço.
Quanto ao sistema de cobrança do estacionamento a expectativa é abranger itens como a disponibilidade de totem em cada quarteirão, que funciona como terminal de atendimento para a validação de tickets. É previsto que os pagamentos poderão ser feitos por aplicativo, moedas ou notas de até R$ 10 e cartões de crédito ou débito.

O horário de funcionamento da Zona Azul deve ser de segunda até sexta-feira, das 9h às 16h, e aos sábados das 9h às 13h. Porém, mais uma vez, João Rodrigues deixou claro que o detalhamento técnico vai mapear e apresentar uma resposta conclusiva a todas essas necessidades, já que as definições prévias anunciadas tratam-se de conversas preliminares: “Ainda não está tudo homologado. Tratam-se de previsões, inclusive a cobrança aos sábados”.

“Vamos ter novidades nesta nova licitação, como bicicletário, parquímetro onde os usuários poderão pagar o estacionamento e muito mais, com calor justo e um serviço de qualidade. Estamos esperançosos que no máximo até agosto estaremos com este estacionamento rotativa esteja funcionando”, concluiu o secretário de Mobilidade Urbana.

Da forma como está, o uso das vagas de estacionamento na área central, sem limite de tempo de permanência pelos usuários, bem como a insuficiência de vagas, agravada pela falta de rotatividade, resultou em vários entraves. Os prejuízos estão sendo sentidos pelos comerciantes, segundo João, levando o consumidor, inclusive, a optar por fazer suas compra em cidades vizinhas.

Segundo sinalizado por João, devem ser realizadas campanhas para envolver os comerciantes na motivação do uso dessas vagas da Zona Azul pelos consumidores. A ideia é despertar a percepção da funcionalidade do serviço e do valor agregado: “Trata-se de um trabalho que a ACI vai encampar justamente para que a Zona Azul não seja um problema, mas sim, uma enorme solução para a gente inovar, melhorar o nosso trânsito e trazer muito mais venda para o comércio da cidade.”

“Se a gente não fortalece o comércio fica mais difícil de a gente movimentar a cidade. Então, nessa mobilização envolvendo o poder público e a ACI, pretende-se dar uma outra ênfase ao negócios, com uma Zona Azul mais moderna e prospera”, finalizou João Rodrigues.

Reportagem: Viviane Westin / Foto: Viviane Westin / Foto: Divulgação