Comerciantes e forças de segurança de Jaguariúna realizam primeira reunião do Vizinhança Solidária

Programa tem como exemplos iniciativas que já acontecem em dois bairros da cidade

Reunião ocorreu na sede da ACI, em Jaguariúna, no último dia 9 de maio

Com a proposta de melhorar a segurança e prevenir os crimes na cidade de Jaguariúna, em atenção especial ao comércio, foi implementado na noite de quinta-feira (9) o Programa Vizinhança Solidária no Comércio, em evento que ocorreu na sede da Associação Comercial e Industrial (ACI) de Jaguariúna, com a presença de comerciantes e representantes da Prefeitura, da Polícia Municipal e da Polícia Militar. O lançamento já havia sido anunciado na semana passada, após reunião que ocorreu no gabinete do prefeito.
Entre as lideranças presentes no evento de implantação estiveram o comandante do Pelotão da Polícia Militar de Jaguariúna, sub-tenente PM Norder; o secretário municipal de Segurança Pública, Renato José de Almeida Chaves Filho; o presidente do Conselho de Segurança (Conseg); o presidente da ACI, João Rodrigues dos Santos.
Tendo como exemplo o Programa Vizinhança Solidária que já está em execução em dois bairros da cidade, o Silvio Rinaldi e o Jardim Europa, desde setembro do ano passado, a ideia é seguir esse mesmo modelo de estratégia preventiva de segurança. Segundo anunciado, os índices de criminalidade nesses bairros foram quase zerados.

Dinâmica
A dinâmica do programa prevê a promoção de reuniões periódicas com o grupo de interesse, com participação de representantes da segurança pública para discutir ações de segurança. Para isso, levam-se em conta as necessidades e os instrumentos disponíveis ou que podem ser utilizados e que se aplicam ao coletivo.
Segundo o presidente da ACI, João Rodrigues, a participação é aberta a todos os comerciantes, independente de sua localização na cidade e não é necessário estar associado à ACI.
“O grande objetivo é trazer para todo o comércio o que já existe nesses bairros. Esperamos alertar a população que, embora a segurança seja um dever do Estado, trata-se de responsabilidade de todos os comerciantes e os cidadãos. Vamos criar esse grupo para dialogar, trocar ideias e passar orientações”, disse João.
A criação de uma rede de contatos entre os comerciantes é um dos instrumentos apontados como necessários ao diálogo da categoria. Seja para denunciar uma atitude de indivíduos suspeitos, orientar a respeito da utilização de mecanismos de segurança, como as câmeras devidamente posicionadas, ou mesmo relatar as ocorrências que possam servir como experiência para o aperfeiçoamento de posturas mais seguras.
Segundo João Rodrigues, o papel das autoridades competentes deve ser potencializado com o programa, na medida em que os canais de comunicação, como o 190 e o 153, por exemplo, serão utilizados de maneira eficiente para informar e solicitar providências para os casos relatados às autoridades representadas na Polícia Militar e Polícia Municipal.
“Esperamos aqui a conscientização das pessoas. A participação do comerciante no Vizinhança Solidária é uma medida preventiva”, reforçou o presidente da ACI. Ainda segundo ele, o registro formal das ocorrências também deve ser entendido como um instrumento necessário para a ação da polícia, sem a qual não é possível quantificar e zelar pela segurança dos comerciantes.
“A comunicação confiável facilita a ação dos policiais que podem agir no lugar certo e na hora certa para efetuar uma prisão, se for o caso, ou pelo menos levar o suspeito a uma averiguação. Felizmente, aqui em Jaguariúna já temos uma comunicação efetiva entre as frentes policiais”, considerou o presidente.

Prevenção primária
Na perspectiva da segurança para que comerciantes de Jaguariúna possam trabalhar com tranquilidade, sem temer assaltos ou furtos, o sub-tenente PM Norder destacou os resultados positivos da experiência que vem sendo aplicada nos bairros da cidade para expor aos comerciantes a importância das estratégias de prevenção ao crime.
Ele ressaltou que o Vizinhança Solidária se trata de um conjunto de ações que busca, por meio da prevenção primária, melhorar a segurança pública local, incentivando a vizinhança a colaborar com o policiamento.
No aspecto da relação interpessoal, o PM Norder destacou a necessidade de aproximação das pessoas do mesmo círculo de convivência, no caso os comerciantes. “É preciso aproximar a sociedade da Polícia Militar e dessa forma formamos uma rede entre os comerciantes para ter mais informações. É preciso que fique bem claro que nessa rede solidária participam os comerciantes de toda cidade, não apenas da área central”.
A dinâmica de ações da rede solidária prevê a realização de palestras para trazer orientações de prevenção primária de segurança, de questões que estão presentes no entorno da vizinhança, de quem conhece e convive no local. Por exemplo, se aplica a um terreno com matagal, na instalação e posicionamento de câmeras de vigilância, entre outros.
A união de forças da Polícia Militar e da Polícia Municipal de Jaguariúna é destacada pelo PM Norder, já que as atuações se complementam. “Temos uma união muito grande e estamos juntos para trabalhar essa questão da segurança em benefício do comércio da cidade. Trata-se de uma questão de segurança do comerciante, dos consumidores, funcionários e das famílias. O aumento na sensação de segurança também reflete no crescimento das vendas”, considerou.

Confiança
Para o empresário Vanildo Pereira da Silva o programa traz a união dos comerciantes em prol do bem comum, com uma somatória de esforço para aumentar a segurança. “Precisamos dessa tranquilidade e esse aumento de segurança vai agregar para todos, seja para o comerciante, o cliente ou o consumidor, ou mesmo para aquela pessoa que vai fazer o saque em uma agência bancária. Esse programa vai trazer benefícios para todos, até mesmo para aqueles que visitam a cidade. Todos querem morar numa cidade segura”, disse Vanildo.

Insegurança
Nas últimas semanas, os comerciantes de Jaguariúna se alarmaram com os registros de ocorrências de assaltos envolvendo pelo menos cinco lojas da cidade, inclusive no Centro. Chamou a atenção o perfil da ação que seguiu uma mesma linha de atuação por parte do praticante. Com o uso de uma faca, ou apenas com a promessa de ter a posse do instrumento, o suspeito adentrou nos pontos comerciais e ameaçou as vítimas, causando prejuízos. O PM Norder reforçou que a ação dos policiais rendeu a prisão de um suspeito nessa semana, já reconhecido por quatro vítimas de diferentes estabelecimentos como autor dos crimes.

Como participar
O Programa Vizinhança Solidária no Comércio é aberta à participação de todos os comerciantes da cidade e não tem custo. Os interessados podem entrar em contato através do telefone 3867-7070 (ACI) para obter mais orientação. O presidente da ACI reforçou que não é exigida a associação do interessado junto à instituição. Porém, é feito um cadastro dos participantes. Segundo João, houve a necessidade que uma liderança assumisse a frente da iniciativa e a ACI assumiu esse papel, entendendo o interesse e a urgência da medida para a categoria.

Reportagem e fotos: Viviane Westin