DIA DO RADIALISTA: Tecnologia aproxima locutor e seu público

Na próxima quarta-feira, 7 de novembro, comemora-se oficialmente o Dia do Radialista. A profissão, nas últimas décadas, também caminhou ao lado do avanço da tecnologia, fazendo, com isso, uma mudança no comportamento do locutor, no caso o radialista, com o seu público.

Até certo tempo, a relação do ouvinte com a rádio, com o locutor, era baseada no envio de cartas e por telefone. Com o advento da tecnologia, essa relação mudou, trazendo, pode-se dizer, o ouvinte mais próximo do radialista, tendo, assim, um contato mais rápido, com melhor forma de interagir, no caso as redes sociais.

“Hoje, com as redes sociais, temos um contato imediato com o ouvinte. Isso é bom, pois abre as portas para que as pessoas possam interagir com a rádio”, salienta o radialista e jornalista Billy Rovaron, da Rádio Nova FM, com 30 anos atuando em rádio.

Billy reforça que trabalha com o WhatsApp. “É muito prático para as pessoas, não tem custo, a mensagem chega de imediato. Mas continuamos usando o telefone, pois, assim, as pessoas também participam do programa com entradas ao vivo” comentou.

Por outro lado, Billy, em sua opinião, acredita que as redes sociais fez com que o rádio perdesse seu romantismo. “Antigamente as pessoas enviavam cartas, via Correios, que, além da letra, da grafia da pessoa, tinha todo um sentimento, pois vinha carta, que, além do texto, colocavam desenhos, como um coração”, lembra. Segundo ele, era uma época diferente quando as rádios faziam sorteios de brindes. “Atualmente só tem sorteios de CDs”.

Já o locutor Bruno Giannini, da Rádio Estrela, radialista e jornalista, que está há 28 anos na profissão, disse que a tecnologia chegou para facilitar. “Ela facilita e aproxima as pessoas, com mais interação”.

Segundo Giannini, a era digital quebrou aquela magia que fazia com que as pessoas construíssem a imagem do locutor, pois apenas ouvia sua voz. “Hoje em dia não temos mais isso. Basta ouvir o nome do locutor, que as pessoas procuram nas redes sociais e o encontra, com isso, não tendo mais segredo sobre como é o seu rosto”, explicou.

Se por um lado não há mais este mistério, por outro lado, de acordo com Giannini, as redes sociais servem também para aproximar o ouvinte do locutor, o que não ocorria antigamente. “Antigamente o contato era durante o programa, com participação ou não, hoje em dia, as pessoas podem falar com o radialista pelas redes sociais, a qualquer momento”.

Em relação a isso, Giannini Salienta que, em função da tecnologia, os ouvintes têm cada vez procurado os radialistas, para satisfazer a curiosidade. “Pode dizer que esta magia está sendo feita de outras maneiras”, finaliza.

DATA

Com uma mudança imposta por uma lei federal em 2006, os radialistas passaram a ter duas datas para comemorar. O dia 21 de setembro virou uma data simbólica e 7 de novembro a oficial. A mudança aconteceu em decorrência a uma homenagem ao músico e radialista Ary Barroso.

 

Texto e fotos: Edmilson Alves

edmilson@gazetaregional.com.br